231

Protesto no Congresso contra PEC do Teto tem carro virado e detenções

Cerca de 10 mil pessoas participaram no fim da tarde desta terça-feira (29), no gramado em frente ao Congresso Nacional, em Brasília, de uma manifestação contra a aprovação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do Teto de Gastos que terminou em confusão e detenções.

Segundo a Polícia Militar, ao menos três pessoas foram detidas por estarem portando soqueiras.

Por volta das 18h, a polícia começou a lançar bombas de efeito moral em direção aos manifestantes. Com a ação da polícia, os participantes do ato recuaram para a parte superior do gramado, afastando-se do prédio da Câmara e do Senado. Por volta das 19h20, a Polícia Militar voltou a lançar bombas de gás contra os manifestantes –quando a maior parte do grupo estava reunida pacificamente ao lado do carro de som na Catedral.

Os manifestantes viraram dois carros que estavam estacionados em frente ao edifício. Um dos veículos é da TV Record e o outro pertence à família de um policial legislativo que trabalha na Câmara. Os carros tiveram vidros quebrados e partes externas danificadas.

A reportagem avistou ao menos duas pessoas caídas no gramado próximo à Catedral à espera de atendimento. Manifestantes começaram a chamar em coro por uma ambulância. Pouco depois, a polícia voltou a lançar bombas de gás.

O movimento começou por volta das 16h. Participam do ato estudantes, representantes de centrais sindicais, de movimentos de trabalhadores sem-terra e de organizações ligadas às universidades federais, além de grupos indígenas.

 

Manifestantes atearam fogo a sacos de lixo em frente ao Ministério da Educação. Ao menos quatro jovens foram vistos pela reportagem quebrando as vidraças da entrada do prédio

Deputados discordam sobre atuação da polícia

Deputados do PT que acompanhavam a manifestação criticaram a atitude da PM. “Eles já estavam preparados pra fazer esse massacre. [Foi] premeditado”, disse a deputada Benedita da Silva (RJ). “Nunca teve uma repressão tão grande quanto essa no Congresso”, afirmou Carlos Zarattini (SP).

Dentro do plenário da Câmara, que planeja votar o pacote anticorrupção, ao menos dois deputados foram ao microfone para comentar a atuação da polícia na manifestação. O deputado Glauber Braga (PSOL-RJ) pediu que o plenário fizesse uma intervenção “pela paz e pelo diálogo” e que a polícia parasse de jogar bombas contra os manifestantes. “Eu mesmo tive minha vista embaçada por gás de pimenta”, afirmou Braga, pedindo que os colegas evitassem “uma tragédia” na frente da Casa.

Em resposta, o deputado Major Olímpio Gomes (SD-SP) afirmou que foi a ação da polícia que estaria evitando uma tragédia. “Tivemos flechas, pedras, bolas de gude jogadas”, afirmou Major Olímpio. “Só [por isso] tivemos o uso da mobilização do Choque.”

PEC do Teto

A PEC do Teto limita os gastos públicos pelos próximos 20 anos. O projeto deve ser votado nesta terça-feira (29), em primeiro turno, no plenário do Senado.

Em 10 de outubro, a matéria foi aprovada em primeiro turno na Câmara, com 366 votos favoráveis, 111 contrários e mais duas abstenções. Quinze dias depois, a proposta passou por uma segunda votação, como determina a legislação, sendo novamente aprovada. Foram 359 votos a favor, 116 contra e duas abstenções. (Com Estadão Conteúdo)

 

Comentário

commentários