Data de Hoje
22 October 2021

Age como se fosse ainda senhor de engenho', diz educador sobre Joaci Góes

'Age como se fosse ainda senhor de engenho', diz educador sobre Joaci Góes

Fotos: Max Haack/ Ag. Haack/ Bahia Notícias

 
As críticas ao regime de cotas feitas pelo pré-candidato a vice-governador pela chapa das oposições Joaci Góes (PSDB) e a aprovação do programa pedagógico do Instituto Alfa e Beto (IAB) pela prefeitura de Salvador foram rebatidas nesta segunda-feira (28) pelo pedagogo e ex-diretor de Política da Educação Fundamental do Ministério da Educação, Walter Takemoto. “Em relação à questão da meritrocacia e da competitividade citada pelo senhor Joaci, que se relaciona com o fato de ser contra as cotas, ele reproduz os discursos das elites mais reacionárias que, ao longo dos séculos, permitiram a marginalização das camadas mais pobres da população, em especial o negro e pobre do estado da Bahia”, comparou o educador, em entrevista ao Bahia Notícias, ao afirmar que o tucano “age como se fosse ainda o senhor de engenho, que vê da casa grande o povo da Bahia como se fosse seu escravo e seu servidor”. Sobre o IAB, Takemoto vê as afirmações de Joaci como demonstração de “sua completa ignorância sobre os problemas da escola pública”. “Quando ele defende o Alfa e Beto está indo contra a legislação brasileira, as diretrizes pedagógicas do Conselho Nacional de Educação, e legitima uma medida do prefeito ACM Neto de comprar esse sistema pedagógico por mais de R$ 40 milhões, sem licitação, sem consulta aos professores da rede municipal”, explica, ao destacar ainda que o procedimento adotado pelo instituto é "nacionalmente condenado pela comunidade educacional". 

 


O programa pedagógico do instituto foi alvo de críticas quando foi implementado, por parte dos docentes e de políticos, como o vereador de Salvador Sílvio Humberto (PSB), que se manifestou contra o material e apontou o texto “As bonecas de Fernanda”, integrante de um dos módulos do programa, como racista. “É importante que o estudante aprenda sobre diversidade e não a partir de um modelo único que seja reproduzido a todo momento. O uso de conteúdos que reforçam estereótipos trabalha contra uma educação de qualidade. O material desse instituto é racista e denunciamos isso”, reiterou. O socialista questionou o “efeito bumerangue” citado por Joaci para afirmar que não criaria as leis que instituem cotas na universidade e na carreira pública municipal e estadual. “Quando você investe contra a natureza das coisas, você acaba tendo um efeito oposto ao que você desejava”, diz o tucano, ao exemplificar a discriminação feita a estudantes aprovados pela reserva de vagas. “Que situação que é natural? As desigualdades sociais são naturais e raciais são naturais? As políticas de ações afirmativas garantem a igualdades de oportunidades que a população negra nunca teve. Não é que vai causar um problema social [a retirada das cotas]. Isso seria um retrocesso”, argumenta.  O edil acredita que não há contradições em falar de ações afirmativas e da qualidade da educação pública. “Quem não quer resolver o problema acha que são duas coisas diferentes. Elas não são opostas. Combater as desigualdades sociais não resolve as desigualdades raciais, mas o contrário é verdadeiro”, analisou, ao definir a linha de pensamento do postulante do PSDB como “extremamente conservadora”. “Não me surpreende: há uma repactuação das elites. A questão aí não é só mudança de direção. Se ele tem a mesma visão de sociedade, não há problema nenhum em se juntarem, o principal ponto é a visão de mundo, extremamente conservadora nesse aspecto”, analisa, em relação ao fato de o pré-candidato ter sido um conhecido anticarlista e dividir atualmente a chapa com o ex-governador Paulo Souto (DEM
Facebook Comments