Data de Hoje
21 September 2021

Agências reabrem após greve do INSS, mas usuários reclamam de atendimento

Apenas os médicos peritos continuam em greve, sem previsão de fim

Após mais de 80 dias de espera, quem foi ontem a uma das agências do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) em Salvador se deparou com fila, queda no sistema e atendimento assegurado só para quem tinha o agendamento marcado ou remarcado.

Por volta das 5h30 da manhã, uma fila já se formava em frente à agência das Mercês, uma das mais movimentadas. Foi mais ou menos nesse horário que o empresário Arthur Miranda de Almeida, 60 anos, foi pela quinta ao local para tentar dar entrada na aposentadoria. “A gente procura resolver os problemas, mas não consegue. Completei 60 anos agora, já tenho 39 de contribuição e a orientação que tive foi que eu teria que entrar no site ou ligar para o 135 para agendar. O pior de tudo é que já me disseram lá dentro que agendamento só para 2016”.

A Previdência Social estimou que até as 14h30 de ontem foram realizados 15 mil atendimentos nas 133 agências de toda Bahia. Com capacidade para atender diariamente 700 pessoas, a agência das Mercês operou pela manhã com a presença de 50% do seu efetivo.

Segundo o chefe da Divisão de Benefícios do INSS, Marcelo Caetano, alguns funcionários estão de férias e a agência está se adequando aos poucos até a retomada completa do serviço. “O movimento foi até tranquilo para o que a gente esperava. A população entendeu que não vai dar para atender a todos no mesmo dia. Neste primeiro momento, até o dia 16 de outubro, vamos atender o que é prioridade, como os benefícios que estão agendados”, disse. “Depois deste período, devemos ter algum planejamento fechado acerca de um mutirão para intensificar o atendimento às demandas da população”, completou.

Para a assistente administrativa Rosana Lins, 54, a solução do seu problema só virá em fevereiro, mês em que conseguiu remarcar a entrada na aposentadoria. “Estava muito angustiada com a greve. Meu agendamento estava marcado para 27 de setembro. Já tinha esperado uns quatro meses e agora vou ter que esperar mais quatro. Fico numa aflição porque quero me aposentar e não consigo”, lamentou. 

Dificuldades

Quando saiu da casa, no Alto de Ondina, às 6h, a dona de casa Sônia Conceição, 50, foi até a agência confiante que conseguiria dar entrada na aposentadoria por deficiência visual, já que estava com o agendamento remarcado para as 7h, justamente no primeiro dia de funcionamento após a greve. “Eu vim porque vi no jornal, mas a gente fica o caminho todo com aquela preocupação se vai conseguir mesmo ser atendida porque tem muita gente na frente”.

Logo que chegou, Sônia passou pela triagem inicial. “Tenho fé em Deus que vou conseguir resolver isso hoje (ontem)”, torcia. A dona de casa esperou por pelo menos meia hora para ser atendida no guichê. Em seguida, levou mais 30 minutos até que o sistema, que caiu durante o cadastramento, retornasse. Mesmo assim, ela saiu da agência por volta das 9h sem conseguir se aposentar. “Me disseram que eu tinha que trazer a cópia dos documentos de todas as pessoas que moram comigo”, contou. Para entregar a papelada pendente, o atendimento foi remarcado para o dia 5 de outubro. “É isso né? Segunda-feira volto de novo”.

O motorista Carlos Alberto Moura, 65, também foi à agência das Mercês logo pela manhã cedinho, mesmo tendo se aposentado um mês antes do início da greve. “Trouxe os papéis  direitinho e consegui dar entrada na aposentadoria no dia 8 de junho, achei que estava tudo certo, tudo resolvido. Mas não recebi um mês sequer do benefício. Vim para saber como vai ficar minha vida desse jeito”.

Carlos Alberto teve que esperar a idade chegar para conseguir se aposentar, já que trabalhou por muito tempo sem carteira assinada. “Fiquei esse tempo todo da greve ligando para o 135, agoniado, só ouvindo do outro lado que era para eu ter paciência que a greve iria acabar”, relata.

Passando por dificuldades, o motorista precisou pedir ajuda à família. “Até cesta básica ganhei do meu irmão, que ganha pouco catando latinha. Quando eu estiver recebendo o benefício, vou pagar a ele. Fiquei mal com essa coisa de depender dos outros”. A esperança era sair da agência com a certeza do pagamento do benefício ainda neste mês. “Espero que me tranquilizem e que eu possa levar essa boa notícia para casa. Preciso ficar numa vida mais tranquila, em paz e de cabeça fria”.

RTEmagicC_carlosalberto.jpg

Carlos Alberto conseguiu se aposentar, mas não recebeu o benefício (Foto: Evandro Veiga/CORREIO)

Orientações

Independente do serviço, o INSS recomenda que o interessado, antes de ir até a agência, acesse os canais de atendimento do órgão, principalmente aquele que vai em busca de uma perícia médica. Isto porque os médicos peritos ainda estão em greve. O agendamento está sendo feito pela página da Previdência Social (www.previdencia.gov.br) ou pelo telefone 135.

O chefe da Divisão de Benefícios do INSS, Marcelo Caetano, ressalta que até a regularização total dos serviços, só deve ir até a agência quem está com a data agendada ou reagendada para o dia. Ele lembra que o benefício será pago com base na primeira data agendada, mesmo que tenha sido feita durante a greve. “Isso vai facilitar a vida de todo mundo”, reforça ele.

Médicos peritos mantêm greve sem previsão de término

Apesar do  retorno das  agências do INSS, os médicos peritos do órgão continuam parados. Segundo a coordenadora do comado de greve no estado, Edriane Barros, a greve segue sem previsão para terminar. “Até agora não recebemos nenhuma proposta de negociação do governo. Achavamos até que com o retorno do serviço administrativo do INSS essa negociação seria mais rápida, mas nada ainda foi sinalizado nesse sentido”, afirma.

A estimativa do movimento  é que, desde o inicio da greve do INSS, 450 perícias médicas deixaram de ser feitas; “30%  dos peritos estão trabalhando em cumprimento ao que estabelece a lei. No entanto, estamos realizando somente serviços administrativos e perícias iniciais priorizadas pela chefia, como no caso de doenças graves”. Edriene estima que apenas 15 profissionais se revezam para cumprir os 30% do efetivo. “Continuamos aguardando o governo”, diz.

Previdência Social

Central de Atendimento via telefone – 135

Agendamento pelo site  www.previdencia.gov.br

Documentos  nas agências do INSS você deve apresentar um documento de identificação com foto e o número do CPF. Para agilizar o atendimento também é importante que o trabalhador apresente documentos que comprovem os seus períodos de trabalho. Para quem realizou remarcações, é bom levar, também, o protocolo de atendimento.

Por: Correio

Facebook Comments