Data de Hoje
25 October 2021

Aluguel no São João chega a triplicar renda no interior Fábio Bittencourt

 
 
  • Luiz Tito | Ag. A TARDE

    Placas estão em bares, lojas e até em postes

Se o São João é esperado com ansiedade por quem pensa em curtir os festejos juninos ao lado de amigos e familiares no interior, imagina para os moradores que veem no evento a oportunidade de ganhar um dinheiro extra – entre R$ 500 e R$ 6 mil – alugando a casa onde moram no período.



A reportagem de A TARDE apurou que os valores, referentes ao período de quatro a sete dias, representam o dobro, às vezes o triplo, da renda mensal percebida pela maioria dos proprietários desses imóveis.



Caso da motorista de van escolar Antônia Queiroz, 41, residente no município de São Gonçalo dos Campos (a 108 km de Salvador), que fatura cerca de R$ 3 mil ao mês fazendo transporte escolar, mas nesta época do ano chega a ganhar R$ 6 mil com o aluguel do sobrado de quatro quartos e vaga para cinco veículos na garagem.



"A casa fica praticamente dentro da festa. A prefeitura já confirmou atrações como Luan Santana, Limão com Mel, Léo Santana e Thiaguinho. Alugamos a nossa casa anterior umas três vezes, e esta, como é nova, será a primeira. Com o dinheiro a gente pensa em instalar portão eletrônico na garagem e grades de segurança", conta ela, que diz se refugiar na casa de uma sobrinha durante os dias.



Ganhando menos de um salário mínimo como operadora em uma indústria calçadista (a remuneração é por hora trabalhada) e dona de um imóvel de três quatros, em Amargosa (a 235 km da capital), Rita Correia diz que os R$ 1.400 esperados pelo aluguel vão servir para a reforma da casa e compra de alguns eletrodomésticos, como som ou geladeira.



"É muito importante (o dinheiro), ajuda muito. A gente batalha o mês inteiro para ganhar menos da metade disso. O São João vem sempre em uma boa hora", afirma ela.



De um modo geral, segundo corretores e proprietários, a maioria dos imóveis é alugada mobiliada; o pagamento é feito com 50% do valor adiantado e o restante no dia da chegada à casa; e quase em nenhum dos casos é especificado o número máximo de inquilinos (hóspedes). "Vai da consciência de cada um", diz Rita Correia.



Destinos mais procurados



Segundo a reportagem apurou, as oportunidades vão de casas de um a quatro quartos até fazendas (chácaras) – para um período de cinco ou seis dias (19 a 25 de junho). E os destinos mais procurados – distantes até 230 km da capital – são Cachoeira, Santo Antônio de Jesus, Amargosa, Cruz das Almas e São Gonçalo dos Campos.



A estimativa da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transporte Público e Comunicações (Agerba) é que 241 mil passageiros deixem a capital via rodoviária, que contará com nada menos que 1.800 ônibus extras, dos atuais 540. Já a Internacional Marítima, empresa que opera o sistema ferryboat, informou que só vai divulgar estimativa na véspera do São João.



"O São João agrega muito, principalmente onde a festa tem bastante tradição. Em 2012, por exemplo, ficamos, quatro casais, em uma casa de quatro quartos, em Piritiba, com piscina e ar-condicionado por R$ 4 mil. Ou seja, R$ 1 mil para cada par. Este ano, com mais feriados, vai render mais, e os corretores vão se dar bem", diz o vice-presidente do Sindicato dos Corretores de Imóveis da Bahia, Márcio Bulhões.



Para o sócio da Novoendereço Imóveis, Manoel Teixeira, é preciso, porém, que inquilinos e proprietários se cerquem de cuidados para que a festa não termine em dor de cabeça.



Ele destaca, para tanto, a exigência de um caução – prevendo algum dano material -, bem como a confecção de um contrato de aluguel relacionando os itens deixados na casa e seu estado de conservação. "As medidas protegem o dono do imóvel, em um primeiro momento, e o contratante, no segundo. É a segurança da formalização do negócio".



Para quem viaja em grupos menores, porém, uma alternativa de hospedagem são os estabelecimentos cadastrados no chamado programa Cama e Café. Lançado em 2013 pelo governo do estado em parceria com o Sebrae, o projeto já capacitou cerca de 80 empreendedores em cidades como Santo Antônio de Jesus, Cachoeira, Cruz das Almas e Amargosa.



"São casas simples, em que os moradores abrem suas portas e destinam até três quartos para o turismo, oferecendo pernoite e café da manhã, sem a impessoalidade de um hotel. As diárias variam de R$ 40 a R$ 100", diz o técnico do Sebrae André Gustavo de Araújo.

Facebook Comments