Data de Hoje
7 December 2021
Foto: Arisson Marinho/Correio

Bahia não vence há quatro jogos na Série B e passa por primeira crise

O Bahia nunca esteve tantos jogos sem vencer em 2015 como atualmente. O jejum tricolor na Série B já dura 24 dias. A última vez que o time comemorou ao sair de campo no torneio nacional foi no dia 7 de agosto, quando goleou o Boa Esporte por 4×1. De lá pra cá, quatro empates, todos pelo placar de 1×1, contra Náutico, Atlético Goianiense, América Mineiro e Mogi Mirim. Amanhã, às 20h30, enfrenta o CRB, na Fonte Nova. 

O tropeço do último sábado, contra o até então lanterna da Segunda Divisão, acabou com a paciência de alguns torcedores. Ontem, cerca de 20 integrantes da uniformizada Bamor acompanharam o desembarque da delegação no aeroporto com vaias, xingamentos e gritos de “time sem vergonha”. Um torcedor mais exaltado partiu para cima dos jogadores e foi contido pelos seguranças do clube.

Mais do que decepcionar o torcedor, a queda de desempenho do Bahia é uma ameaça ao principal objetivo do clube no ano: o acesso à Série A. Com 35 pontos, o tricolor é o 7º colocado na tabela e já não figura no G-4 há duas rodadas. Vitória, Paysandu, Botafogo, América-MG, Sampaio Corrêa e Náutico estão na frente.

“Tem que colocar a casa em ordem”, admite o atacante Kieza, artilheiro do time na competição, com quatro gols, e na temporada, com 19. “A gente está deixando as oportunidades passarem. Se não melhorar, fica difícil. A gente fala, fala, fala e quando chega no campo… O treinador não tem culpa”, defende.

Em baixa 

Parte da torcida já questiona a permanência do técnico Sérgio Soares. A eliminação vexatória na Copa Sul-Americana, após goleada por 4×1 contra o Sport, na última quarta-feira, também abalou a confiança no treinador e agravou a crise no Fazendão, a primeira de 2015.

“O momento é difícil emocionalmente. É uma pressão muito grande. Os atletas precisam ter calma para desenvolver o melhor futebol”, afirmou Soares. Amanhã, contra o CRB, ele não poderá contar com Souza, suspenso.

Por: Daniela Leone / Correio
Facebook Comments