Data de Hoje
23 September 2021

Barracas do Imbuí passam a ter hora para fechar

Acordo define multa para quem mantiver som alto após as 22h

Fim de festa. Aí você quer tomar aquela saideira às 3h de sábado e logo vem em mente o Imbuí. Hummm…. Mas aproveite enquanto é tempo, pois a partir de segunda-feira as tradicionais barracas passarão a ter horários fixos para encerrar as atividades. Os proprietários que descumprirem as novas regras, definidas durante uma reunião esta semana, terão que pagar multa de um salário mínimo. As normas incluem também proibição de som alto a partir das 22h, também sob pena de multa.

De segunda a quinta-feira, os bares só poderão estar abertos até 1h, com encerramento máximo às 2h. De sexta-feira a sábado, as barracas podem receber clientes até as 2h, e baixar as portas às 3h – mesmo limite estabelecido para os feriados. Por fim, aos domingos, devem fechar às 22h, com tolerância máxima de funcionamento até as 23h.

A Associação dos Barraqueiros do Imbuí, que defende os interesses dos próprios comerciantes, será a responsável por fiscalizar e aplicar a punição aos quiosques. As medidas, segundo a entidade, visam garantir mais segurança na área e foram decididas durante reunião com a participação de moradores do bairro, associações de comerciantes e barraqueiros e a Polícia Militar. Em julho, três pessoas foram mortas no bairro num intervalo de 15 dias – nenhum dos casos, no entanto, tem relação direta com o funcionamento dos quiosques.

Contra

O Correio ouviu ontem responsáveis pela administração de algumas barracas no Imbuí e a maioria disse que cumprirá a determinação, mesmo aqueles que são contra em alguns pontos. Para a gerente da barraca A Zurka, Poliana Brito, 31 anos, não há problemas quanto ao som.

“Essa questão é fácil de se resolver. O que acontece é que quando a gente baixa o volume, os clientes reclamam, mas vamos cumprir”, garantiu. Em relação ao horário de funcionamento, também não haveria problema, segundo a maioria dos comerciantes consultados, já que de segunda a quinta-feira, quando o movimento é menor, o atendimento é encerrado à 1h. A questão está nos outros dias.

Na sexta-feira e sábado, o fechamento ocorre, em média, às 4h. No domingo, as atividades são encerradas às 2h. “Muitos moradores se sentem seguros por causa da movimentação. Uma mãe me disse que se sente segura quando o filho vem para cá, com os amigos, porque não precisa sair de carro”, ilustrou.

A gerente do quiosque Tô Em Belle, Alessandra Ribeiro, disse que o barulho é um assunto fácil de se contornar, pois a administração entende que o estabelecimento está localizado numa área residencial, mas também chamou a atenção para a imposição do horário de fechamento. Segundo ela, encerrar o expediente mais cedo não é garantia de que a violência será reduzida. “Isso aqui é um bar, não uma igreja. Quem tem que promover a segurança é a polícia”, declarou. Nas sextas e sábados, o horário de encerramento é às 3h. Já aos domingos, por volta de meia-noite.

Por: Correio

Facebook Comments