Data de Hoje
1 March 2024
A Pirâmide de Quéops, a maior das pirâmides de Gizé, é analisada com a tecnologia de infravermelhos (FOTO: MOHAMED ABD EL GHANY / REUTERS)

Cientistas encontram anomalias térmicas na pirâmide de Quéops

Irregularidades podem indicar a existência de quarto secreto em tumba egípcia

CAIRO — Várias anomalias térmicas foram observadas em quatro grandes pirâmides perto do Cairo, entre elas a grande Pirâmide de Quéops, conforme anunciou nesta segunda-feira o ministro de Antiguidades, em uma coletiva de imprensa.

Estes primeiros resultados de análises térmicas realizadas após o lançamento da missão “Scan Pyramids”, em 25 de outubro, por cientistas e arquitetos egípcios, franceses, japoneses e canadenses, abrem a porta a uma multiplicidade de interpretações.

Os cientistas “observaram uma quantidade de anomalias térmicas em todos os monumentos (…), mas uma delas é particularmente impressionante. Ela está localizada no lado leste da pirâmide de Quéops, ao nível do solo”, segundo um comunicado de imprensa.

Alguns blocos de pedras apresentam até 6 graus de diferença dos blocos vizinhos. Isso se traduz sobre as imagens da câmera térmica pelo surgimento das cores quentes, enquanto o resto do monumento aparece é digitalizado com cores frias, de azul para magenta.

EGYPT-PYRAMIDS_-2

Ministro de Antiguidades do Egito, Mamdouh el-Damati (esquerda), mostra pontos de calor detectados na Pirâmide de Quéops (FOTO: MOHAMED ABD EL GHANY / REUTERS)

As razões para a anomalia térmica permanecem desconhecidas, mas isto pode indicar a existência de um quarto secreto. As autoridades informaram que, entre as possíveis causas para as anomalias, estão a existência de áreas vazias dentro da pirâmide, correntes de ar internas ou a utilização de diferentes materiais de construção.

Com a tecnologia de infravermelhos e sensores sofisticados, a equipe pesquisou as pirâmides de Quéops e Quéfren — que, ao lado de Miquerinos, formam as famosas pirâmides do Gizé — assim como duas das pirâmides de Dahshur, ao sul do Cairo. Suas tumbas foram construídas na Quarta Dinastia, entre 2613 e 2494 a.C.

Este projeto, que deve durar até o final de 2016, é uma nova tentativa de esclarecer o mistério em torno da construção das pirâmides.

— Quéops vai entregar hoje um de seus segredos — disse, entusiasmado, o ministro de Antiguidades, Mahmoud Eldamaty, no início da conferência de imprensa. — Eu tenho palpites, mas não posso dizer nada enquanto não tiver certeza.

A equipe usou a termografia infravermelha para realizar a análise das pirâmides durante o nascer do sol, quando o sol esquenta as estruturas de pedra calcária do lado de fora, e também ao pôr do sol, quando as estruturas esfriam.

Ministro de Antiguidades do Egito, Mamdouh el-Damati, e Jean Claude Barre, do Heritage Innovation Preservation Institute, mostram áreas onde foram detectadas anomalias térmicas (FOTO: MOHAMED ABD EL GHANY / REUTERS)

Ministro de Antiguidades do Egito, Mamdouh el-Damati, e Jean Claude Barre, do Heritage Innovation Preservation Institute, mostram áreas onde foram detectadas anomalias térmicas (FOTO: MOHAMED ABD EL GHANY / REUTERS)

Por: O Globo