Data de Hoje
4 August 2021
Foto reprodução

Com rombo de R$ 56 bilhões, contas do governo Temer têm pior 1º semestre em 21 anos

Secretaria do Tesouro Nacional informou nesta quarta-feira, 26, que as contas do governo de Michel Temer terminaram o primeiro semestre deste ano com um déficit de R$ 56,09 bilhões; é o pior resultado para o primeiro semestre desde o início da série histórica, em 1997, ou seja, em 21 anos; até então, o maior déficit para esse período havia sido registrado em 2016 – quando o rombo somou R$ 36,47 bilhões no primeiro semestre; é o terceiro ano seguido em que as contas ficam no vermelho neste período.

Esse é o terceiro ano seguido em que as contas ficam no vermelho neste período. Esse foi o pior resultado para o primeiro semestre desde o início da série histórica, em 1997, ou seja, em 21 anos. Até então, o maior déficit para esse período havia sido registrado em 2016 – quando o rombo somou R$ 36,47 bilhões no primeiro semestre.
Segundo o Tesouro Nacional, houve uma antecipação do pagamento de precatórios em maio e junho de 2017, que normalmente aconteceria somente no fim do ano.
Sem esse efeito, informou o governo, as contas do governo teriam registrado um rombo menor, de R$ 38 bilhões no primeiro semestre. Ainda assim seria o pior resultado da série histórica.
O fraco resultado das contas públicas também acontece em um ambiente ainda de baixo nível de atividade, que tem se refletido na arrecadação de impostos e contribuições federais.
Embora apareçam alguns sinais de melhora no ritmo da economia, como na produção industrial, o desemprego ainda segue alto. Tensões políticas recentes também impactam o nível de confiança do empresariado.
Somente no mês de junho, de acordo com dados oficiais, as contas do governo registraram um déficit primário (sem contar juros da dívida pública) de R$ 19,79 bilhões. Esse foi o segundo mês seguido com as contas no vermelho e, também, o pior resultado para meses de junho. No mesmo período do ano passado, as contas do governo tiveram déficit de R$ 9,79 bilhões.
De acordo com a Secretaria do Tesouro Nacional, as receitas totais recuaram 1,2% em termos reais (após o abatimento da inflação) de janeiro a junho deste ano, na comparação com igual período de 2016, para R$ 664,8 bilhões.

As despesas totais caírammenos: 0,5% em termos reais, na comparação com os seis primeiros meses do ano passado, para R$ 604,27 bilhões. O governo argumenta que a maior parte das despesas são obrigatórias, diminuindo sua margem de manobra para sua retenção.

Facebook Comments