Data de Hoje
25 February 2024
Foto: Reprodução

Confira as melhores opções de passeios no Litoral Norte da Bahia

É tempo de sol; praia; canoagem; passeios ao ar livre, a cavalo ou de barco; pescaria costeira ou em alto mar; mergulho em piscinas naturais; prática de esportes aquáticos, como o badalado stand-up; e tudo o mais que o verão permitir na ensolarada Bahia. E é no paradisíaco cenário da Costa dos Coqueiros, no Litoral Norte, onde se concentra uma infinidade de opções de entretenimento para curtir a alta estação. A região turística tem uma área de 193 km de extensão, que começa na Praia de Ipitanga, em Salvador, e se estende até o vilarejo de Mangue Seco, no município de Jandaíra, na divisa de Sergipe.

Dunas, rios, lagoas de águas cristalinas e praias de mar agitado ideais para o surfe ou com arrecifes formando piscinas naturais são algumas paisagens genuínas da Costa dos Coqueiros, que é cortada pela BA-099 em seus dois trechos: a Estrada do Coco e a Linha Verde. Nesse percurso, encontram-se algumas das mais belas praias da Bahia e com a melhor balneabilidade da região, como Arempebe, Guarajuba, Imbassaí, Buraquinho, Baixio e Barra do Itariri. A região é também rica de recantos de importância histórica e/ou ecológica, como o Projeto Tamar, as ruínas do Castelo Garcia D´Ávila, a Reserva Ecológica Sapiranga e o Instituto Baleia Jubarte, pontos turísticos de Praia do Forte, pertencente ao município de Mata de São João e a primeira localidade da Linha Verde, de quem vem de Salvador.

Projeto Tamar em Praia do Forte (Foto: Divulgação)

E é em Praia do Forte onde se encontram inúmeras alternativas de passeios. Uma opção para o final de tarde é uma visita ao Parque do Castelo Garcia D´Ávila, única edificação medieval da América Latina e um dos principais pontos turísticos do vilarejo. Carregadas de história e cultura brasileira, as ruínas do Castelo Garcia D’Ávila, atualmente patrimônio histórico tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), com arquitetura medieval, reúne a Capela de Nossa Senhora da Conceição, o museu com artefatos históricos encontrados durante as escavações de restauração e o mirante com vista deslumbrante para a vila e o oceano.

Outro passeio interessante, ainda em Praia do Forte, é o Projeto Tamar, trabalho voltado à pesquisa, proteção e manejo das cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem no Brasil, todas ameaçadas de extinção. O Centro de Visitantes, que fica ao redor do Farol Garcia D’Ávila, foi criado em 1982 e mostra o que o Tamar faz para proteger as tartarugas marinhas a partir da sensibilização e educação ambiental. O local está aberto à visitação pública todos os dias, das 8h30 às 17h. O acesso custa R$ 24 (inteira) e R$ 12 (meia-entrada).

Mergulho em piscinas naturais

Panorâmica das piscinas naturais de Praia do Forte (Foto: Dronetogo)

A 300 metros dali, um passeio perfeito para desacelerar o ritmo do dia a dia e conhecer o habitat da vida aquática é se permitir a um mergulho em piscinas naturais que formam verdadeiros aquários, localizadas entre os recifes de corais, com suas águas transparentes. O atendente de marketing da agência Portomar Passeios Turísticos, Michael Johnny dos Santos, conta que a opção tem sido uma das mais procuradas pelos visitantes. “No final da tarde, com a maré baixa, águas calmas e cristalinas, o convite é para um mergulho energizante. A pessoa mergulha com a máscara EasyBreath e colete salva-vida, fornecidos por nós, que também disponibilizamos instrutor e fotos inclusas. A aventura dura uma média de uma hora”, relata.

Para os aventureiros dos ares, embarcar no Voo Parasail é um passeio indispensável. Oferecido diariamente e em diversos horários pela Portomar, a aventura tem início na lancha e segue com o voo de paraquedas. Primeiro, explica Johnny, o equipamento é aberto com a lancha em movimento e, em seguida, o praticante é conectado por uma “cadeira” (é necessário utilizar colete salva-vidas). “É um passeio extremamente seguro. Após instruções do nosso capitão, o cabo aos poucos começa a ser liberado por um sistema hidráulico e o paraquedas ganha altura, podendo chegar entre 60 a 80 metros, desfrutando assim de uma linda vista panorâmica de Praia do Forte. Na volta ao barco, o instrutor recolhe o cabo (através de sistema hidráulico), e o cliente retorna à plataforma da lancha”, detalha.

Quadriciclo pela floresta

Passeio de quadriciclo (Foto: reprodução)

Os mais “terrestres” têm a opção do passeio de quadriciclo, que a empresa realiza quatro vezes ao dia, com duração de cerca de duas horas, para que o visitante conheça o Castelo Dias D´Àvila. “Iniciamos o passeio com um treinamento para que a pessoa se sinta segura em conduzir o quadriciclo. Em seguida, saímos para percorrer a trilha visitando as ruinas do castelo. Após a visita, continuamos de quadriciclo pela floresta até chegar às margens do Rio Pojuca onde teremos uma parada para banho em um lindíssimo cenário natural. Retornamos do passeio ecológico pela mesma trilha”.

Ainda em Praia do Forte, os adeptos do ecoturismo e do turismo de aventura têm como opção os passeio de canoa motorizada ou de caiaque, tirolesa e caminhadas ecológicas na Reserva Ecológica da Sapiranga, que é formada por 600 hectares de mata atlântica e habitat natural de espécies diferentes de flores e plantas nativas, entre elas as orquídeas e bromélias. As andanças pelas oito trilhas – Trilha da Gameleira, Corredeiras, Sete Pontes, Trilha das Bromélias, Bica da Sapiranga, Trilha da Gamboa, Trilha da Rolinha e Trilha Longa – podem ser feitas a pé, via bicicleta e quadriciclo ou a cavalo. Para fazer as trilhas mais curtas, pode-se contratar guias-mirins na entrada da reserva e, para as mais longas, é preciso agendar no local. Dentro da reserva possui um centro de educação ambiental, mini-museu, biblioteca, cine-floresta, salas de aulas, banheiros, oficina e loja de artesanatos produzidos pelos nativos da região.

Banho e surf

Surf em Guarajuba (Foto: Reprodução)

Seguindo pela bucólica Linha Verde, ainda no território de Camaçari, outro lugar badalado do Litoral Norte é Guarajuba. Nos trechos protegidos por recifes, a Praia de Guarajuba é propícia para banhos calmos. Já nas áreas de mar aberto, o local é o preferido pelos surfistas. Depois do banho de mar, o agito continua nos inúmeros restaurantes, sorveterias e pequenos shoppings da vila.

Última atração da Estrada do Coco, ainda em Camaçari, a Praia de Itacimirim também atrai pela sua beleza, cercada de coqueiros, pássaros migratórios e tartarugas marinhas. O trecho mais famoso é a Praia da Espera, onde, em 1984, o navegador Amyr Klink aportou, depois de cruzar o Atlântico. A antiga vila de pescadores é formada por uma estreita faixa de terra com praia, ao leste, e lagoas, ao oeste. Com rios, manguezais, piscinas naturais de águas mornas e praias de areias brancas, Itacimirim é uma opção de pesseio para se fazer turismo ambiental.

Seguindo pela Linha Verde, outra parada obrigatória é Imbassaí, povoado praieiro pertencente ao município de Mata de São João. Trata-se de uma área de proteção ambiental para quem busca o turismo ecológico e de aventura. A região, um antigo vilarejo de pescadores, é considerada um pedaço do paraíso no Nordeste e oferece opções para banho de mar na praia que leve o nome do lugar, na Cachoeira Dona Zilda e na Lagoa Jauara. No centro de Imbassaí, os visitantes podem encontrar artesanato em palha de piaçava e restaurantes.

Frequentada por artistas nacionais e estrangeiros, Imbassaí abriga outras praias, a exemplo da Praia de Santo Antônio, no km 68 da Rodovia do Coco, na Linha Verde, um lugar ideal para quem quer fugir da badalação e curtir o ócio sossegado. Para chegar ao local, o visitante deve percorrer cinco quilômetros a partir da Vila de Diogo e, depois, caminhar por mais meia hora em meio às dunas. De Diogo, são necessários cerca de 20 minutos de caminhada até a praia, passando por um caminho rodeado de dunas e cortado pelo rio Imbassaí. Na volta do passeio, o Restaurante Sombra da Mangueira, na Vila de Diogo, é parada obrigatória. O espaço, que já foi indicado pelo Quatro Rodas, está instalado, literalmente, sob a sombra de uma mangueira e ficou famoso por servir deliciosas moquecas.

Esporte náutico

Subaúma, no município de Entre Rios, a 110 km de Salvador, é outra opção de passeio, por conta de sua infraestrutura turística. No lugar, é possível aproveitar tanto a praia quanto as lagoas, onde acontecem práticas de esportes náuticos como jet-ski, windsurfe e caiaque. O local é, ainda, cenário de competições esportivas durante o verão. Os visitantes se encantam com o Rio Subaúma e o Rio Crumaí, onde se pode admirar o encontro da água doce com o mar. Outra referência é o Mirante do Cruzeiro, que oferece uma visão de toda a extensão urbana do vilarejo. No local ainda é possível visitar a Cachoeira dos Índios, que tem uma queda de água de cinco metros com poço natural, indicada para banho.

Cachoeira dos índios em Subauma – Bahia (Foto: reprodução/ internet)

O povoado de Baixios é outro procurado destino turístico do Litoral Norte, no verão. As águas cristalinas das cinco lagoas formadas por 14 nascentes, espalhadas na região, compõem o cenário do vilarejo, localizado a 124 km de Salvador e pertencente ao município de Esplanada. O lugar oferece passeios ecológicos e trilhas. A 30 minutos de caminhada do centro de Baixio, fica a Lagoa Azul, com águas mornas e cristalinas, rodeadas por dunas de areias. O visitante pode aproveitar também as lagoas Panela e Verde, que ficam um pouco mais distante, a 8 km. Outra atração do local é o Mirante do Morro do Mamucabo, acessível por uma trilha íngreme e arenosa ou através de um veículo 4×4.

Seguindo a Linha Verde, vem a cidade do Conde, a 168 km de Salvador, onde encontra-se a Praia Barra do Itariri, que também foi cenário de cinema, servindo como locação do filme Tieta do Agreste, de Cacá Diegues. A praia conta com barracas de praias, que servem frutos do mar, e é caracterizada por uma larga faixa de areia que marca a divisão entre o rio e o mar. No local, o Rio Itariri serpenteia o manguezal ao encontro do mar e a mistura da água de ambos é o lugar preferido dos banhistas. Durante a vazante da maré, é possível atravessar a pé o canal e aproveitar a vista das dunas. Já a maré alta forma as condições ideais para a prática de pesca, canoagem e nado.

Por A Tarde