Data de Hoje
10 May 2021
DF - CIDADES/CRISE - POLÍTICA - O ministro das Cidades, Mário Negromonte, fala sobre denúncias de doações ilegais durante audiência pública na Comissão de Desenvolvimento Urbano, na Câmara dos Deputados, em Brasília. 10/08/2011 - Foto: DIDA SAMPAIO/AGÊNCIA ESTADO/AE

Confirmado por novo delator propina paga a Mário Negromonte

Um novo delator da Operação Lava Jato teria confirmado o pagamento de cerca de R$ 18 milhões em propina ao ex-ministro Mário Negromonte e ao ex-deputado José Janene (PP), morto em 2010. De acordo com a Folha de S. Paulo, Frank Geyer Abubakir é conterrâneo de Negromonte e ex-presidente e acionista da petroquímica Unipar Carboclorol e informou que o repasse ocorreu após a criação da petroquímica Quattor, fruto de sociedade entre a Unipar e a Petrobras. Abubakir teria contado ao Ministério Público Federal (MPF), em depoimento dado em novembro, que procurou Negromonte e Janene para tentar “manter a Unipar no Mercado”. Janene teria pedido R$ 18 milhões pelo “suposto fato de o PP e de ele próprio terem dado apoio político à empresa Unipar”. Apesar de não concordar com o valor, o empresário teria sido alvo de chantagem do então deputado. Ainda de acordo com o delator, Janene continuou a extorqui-lo mesmo após o pagamento. Abubakir admitiu que, temeroso, fez novos repasses ao ex-deputado.

O episódio confirma os depoimentos do doleiro Alberto Youssef e do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. Os advogados de defesa de Negromonte, hoje conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia (TCM-BA), negaram o recebimento de propina e informaram que o ex-ministro “não recebeu qualquer valor para intermediar a criação da Quattor”. Procurado nesta sexta (5), Negromonte informou que não poderia comentar porque não teve acesso à delação premiada de Frank Abubakir. A Unipar Carbocloro informou que não vai comentar.

Bahia Notícias
Facebook Comments