Data de Hoje
25 January 2022

Congresso torra R$ 200 milhões em 12 dias sem votação

Apenas um mês após o início dos trabalhos no Legislativo, os parlamentares, mesmo aqueles eleitos sob o discurso de “renovação” e da “nova política”, não hesitaram em sair para o recesso do Carnaval, emendar a semana e totalizar 12 dias sem votação. Nessa quinta-feira (7), por exemplo, dos 594 deputados e senadores, apenas 21 marcaram presença. Os congressistas, porém, argumentam que não falta trabalho em suas bases eleitorais.

De acordo com a ONG Contas Abertas, os sete dias úteis sem votação (quinta e sexta passadas, toda esta semana – com exceção de terça, que foi feriado – e a próxima segunda) custam cerca de R$ 207,12 milhões aos cofres públicos.

O secretário-geral da instituição, Gil Castello Branco, explica ter chegado a esse número a partir da soma dos orçamentos da Câmara e do Senado, dividida pelos 365 dias do ano, multiplicada pelos sete dias úteis. Para ele, as sessões não deliberativas “são uma simulação de funcionamento” e “valeria inclusive colocar no cálculo os finais de semana”. “Se considerássemos somente os dias úteis ao calcular o valor de um dia do Congresso – R$ 29.589.041,09 –, esse número seria muito maior”, afirmou.

Os parlamentares recebem R$ 33.763 mil por mês, considerando o salário bruto, sem descontos. Apenas em vencimentos, cada congressista ganha R$ 1.125,43 por dia, mais que um salário mínimo, que é de R$ 954. Pelo feriado prolongado de 12 dias sem trabalhos legislativos, cada congressista deve embolsar R$ 13.505,46.

O novo Congresso é considerado um dos mais renovados da história. O Senado renovou 59% das suas cadeiras, o mais alto índice pelo menos desde a redemocratização do país. Na Câmara, o percentual chegou a 52,5%, o maior desde 1994. Dos 567 parlamentares empossados em 1º de fevereiro, 118 deputados e dez senadores jamais haviam ocupado cargo eletivo.

Facebook Comments