Data de Hoje
30 July 2021
Foto reprodução

Contador é preso por receber abono de funcionários fictícios em Amargosa

O contador Luciano Andrade dos Santos, conhecido como Luciano Contador, de 38 anos, foi preso no município de Amargosa, a cerca de 240 quilômetros de Salvador, suspeito de inserir trabalhadores inexistentes nos registros de clientes para poder sacar benefícios. A informação foi divulgada pela Polícia Civil, que afirmou ter descoberto a fraude após seis meses de investigação. De acordo com o delegado Adilson Bezerra de Freitas, titular da DT/Amargosa, o contador, preso na segunda-feira (28), fazia anotações falsas nas empresas, que contratavam o escritório de contabilidade no qual trabalhava, inserindo funcionários fictícios e, a partir de dados constantes nas carteiras de trabalho e numeração do PIS, ele fazia saques do abono salarial e outros benefícios.
O delegado disse que a investigação descobriu que, por meio de apenas uma empresa familiar, que não possuía empregados, Luciano contratou fraudulentamente 164 funcionários, conseguindo sacar depois de alguns meses o abono salarial de todos eles. Luciano ganhava um salário mínimo no escritório de contabilidade, mas ostentava uma vida incompatível com a de alguém que detivesse tal remuneração, segundo a polícia. “Estamos investigando denúncias de que ele também comercializaria drogas ilícitas”, acrescentou o delegado.
Nas buscas feitas na residência dele, os policiais apreenderam 10 munições para arma calibre ponto 38, 31 carteiras de trabalho, 70 cartões Cidadão, dezenas de cartões do Bolsa Família e da Caixa, CPFs, IPVAs e mais de 400 cópias de documentos de pessoas diversas e anotações do esquema criminoso. Um pássaro “azulão, da fauna silvestre e em processo de extinção, também foi apreendido. O delegado Adilson Freitas explicou que, inicialmente, Luciano Contador responderá pelos crimes de posse de munição, estelionato, falsidade documental e crime ambiental, permanecendo custodiado na carceragem da DT/Amargosa, à disposição da Justiça. Uma cópia do procedimento será encaminhado à Polícia Federal. O investigador ainda disse que a polícia agora investiga se mais pessoas participaram do esquema. G1
Facebook Comments