Data de Hoje
23 June 2024
Foto reprodução Banco de dados da internet

Crise na saúde: Recursos para Farmácia Popular e Samu acabam em agosto

A notícias partiu do ministro da Saúde, Agenor Álvares da Silva, onde afirmou que recursos para Farmácia Popular e para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) são suficientes somente até agosto.

“Será preciso encontrar uma forma de pagamento”, disse, ao sair de reunião no Conselho Nacional de Saúde.

 Álvares da Silva confirmou ainda que recursos não serão suficientes para honrar compromissos de procedimentos de média e alta complexidade, como cirurgias e internações, a partir de dezembro. A dificuldade no pagamento de contas é fruto de uma redução na previsão do orçamento para o Ministério da Saúde em 2016, no valor de R$ 5,5 bilhões.

 “Diante da redução das verbas, procuramos no primeiro momento controlar os gastos discricionários”, disse.

A falta de verbas afetaria, de acordo com Álvares da Silva, o Aqui Tem Farmácia Popular, um dos desdobramentos do programa inicial, em que estabelecimentos comerciais vendem medicamentos para rinite, colesterol, mal de Parkinson, glaucoma, osteoporose, anticoncepcionais e fraldas geriátricas.

O preço não é cobrado da população, mas é reembolsado pelo Ministério da Saúde aos estabelecimentos. “A partir de setembro, vamos ver como esse repasse terá de ser feito para as farmácias credenciadas”. Uma das preocupações é a falta de recursos também para procedimentos de média e alta complexidade. Álvares da Silva disse ter esperança de que uma solução será encontrada.

Click Notícias