Data de Hoje
28 January 2022

Ellen Rocche se acha mais bonita aos 39 e diz que ficaria com homem mais novo

Rio – Nada fica igual depois da passagem do furacão Jaqueline (Ellen Rocche), que chegou em ‘Malhação: Vidas Brasileiras’ na semana passada e continua fazendo “estragos” esta semana. Linda, divertida, independente e solteira, a loura logo atraiu os olhares dos rapazes, que não se cansam de arrastar asa para ela, principalmente Hugo (Leonardo Bittencourt), que tem 19 anos na trama da Globo.

“Não teria problemas. Ficaria com um cara mais novo. A gente não manda no coração. Sempre fui muito intensa e apaixonada. Posso me encantar por um homem mais velho ou novo, rico ou pobre. A gente coloca muito empecilho, enumerando defeitos. Eu procuro não ter preconceito, mas conhecer a pessoa de alma. Se eu gostar, aí já era”, conta Ellen Rocche, de 39 anos, que prefere não falar se namora ou está solteira. “Estou feliz”, desconversa, aos risos, a atriz, que é figurinha carimbada na novela, participando da oitava temporada de ‘Malhação’ (2003) e ‘Malhação: Intensa como a Vida’ (2012).

COROA?

Para Ellen, a intenção da personagem não é ficar com Alex (Daniel Rangel), garoto com quem ela demonstra ter mais afinidade. “Ela percebe o olhar dos rapazes, isso massageia o ego dela por ser uma mulher mais velha”, explica.

Curioso mesmo foi quando a atriz viu nos capítulos a sua personagem ser chamada de “coroa” pelos meninos. “Eu dei risada”, confessa. Segundo a loura, algumas pessoas nas ruas reclamaram depois que a cena foi exibida (“Falaram que era um absurdo”, conta). A atriz encara tudo com muito bom humor. “São possibilidades que a arte permite. Não abraço isso (me sentir coroa), mas entendo. Os personagens têm 19 anos e ficam impressionados com uma mulher segura, mais velha”, brinca.

“Quando tinha uns 21 anos, um ex-namorado me disse que o auge da mulher, quando ela fica mais bonita, era entre os 30 e 50 anos. Eu falei: ‘Cruz-credo, você gosta de velha’. Aquilo na época me ‘agrediu'”, lembra, às gargalhadas. Anos depois, ela encontrou o ex e deu razão a ele. “Estou em um momento que me acho mais bonita. Cada ano que passa, me sinto melhor. A beleza é mais de dentro para fora do que o contrário. É importante envelhecer bem, sem esquecer de cuidar da cabeça também”, defende.

ROMANTISMO

Assumidamente romântica (“Sou canceriana”, justifica), a atriz é bem pé no chão ao falar sobre o homem ideal. “Príncipe encantado não existe. A gente sabe que todos temos defeitos. Gosto de abraçar os defeitos da pessoa, de compartilhar e trocar. Quando amo a pessoa, tento trabalhar a aceitação dos defeitos. Isso é o maior romance, faz você gostar da pessoa e ir a fundo com ela”, ensina.

FILHA ADOLESCENTE

Em ‘Malhação: Vidas Brasileiras’, Jaqueline retorna ao Brasil com a intenção de estreitar os laços com a filha, Fabiana (Giovanna Rangel). Mas, sem saber, a loura faz amizade com os colegas de classe da herdeira. E em uma das festas promovidas durante as férias, Fabiana encontra os amigos com a mãe. Chocada com a cena, ela revela o parentesco com Jaqueline e passa a sofrer bullying por parte dos colegas.

Ellen jura que nada na sua personagem é intencional e que uma coisa vai levando a outra. Adicione à equação o fato de que mãe e filha não têm um relacionamento muito amigável e o fato de que, normalmente, adolescente tem a mania de se sentir constrangido pelos pais.

“Nunca tive problema com meus pais. O meu pai era mais rigoroso e, às vezes, ia me buscar no colégio. Ele chegava e dava uma encarada nos meus amigos. Tipo aquele olhar: ‘O que vocês querem com a minha filha?’ Eu falava: ‘Pai, pelo amor de Deus. Nunca mais vai me buscar'”, diverte-se Ellen, que na época tinha 14 anos.

ÓVULOS CONGELADOS

Com 22 anos de carreira, essa é a primeira vez que Ellen Rocche vive mãe de uma adolescente. “No começo, foi um choque”, revela a atriz, aos risos. Ela conta que sempre que vê alguma menina de 16 ou 17 anos pensa que poderia ser sua filha. “Às vezes, até me choca como o tempo passa rápido”, analisa ela, que há um mês, realizou um procedimento para congelar alguns de seus óvulos.

“Engravidar era uma realidade distante e fui deixando as coisas acontecerem. Conversando com a minha ginecologista, ela me explicou e, como eu estava de férias, achei que fosse o momento propício. Porque assim garanto a minha fertilidade. Por enquanto, não é minha vontade ter filhos, mas se quiser ter um ou dois filhos, coloco nas mãos de Deus”, revela.

Essa experiência fez com que a atriz abraçasse a campanha para divulgar mais a técnica. Segundo ela, muitas mulheres não conhecem o procedimento por falta de informação e por acharem que é muito caro.

“Em alguns lugares até é (caro), mas dependendo de onde for é mais viável. Principalmente para mulheres diagnosticadas com câncer. Algumas delas não sabem que podem preservar sua fertilidade antes de começar o tratamento que as deixará estéreis”, explica.

FUTURO

Para este ano, Ellen segue no ar também na ‘Escolinha do Professor Raimundo – Nova Geração’, também da Globo, tem projetos para teatro mas não entra em detalhes e deseja fazer mais cinema também. “Está na minha listinha de metas para este ano. Adoro fazer comédia. Sou suspeita, amo. Mas quero fazer um drama bem pesado”, adianta a loura.

Facebook Comments