Data de Hoje
31 July 2021
Foto: Reprodução

Este ano sobe 14% número de presos por assalto a ônibus

A prioridade das polícias Civil e Militar na repressão a roubo em ônibus já se reflete na produtividade policial. De janeiro a até a data de hoje (18), o número de presos em flagrante cometendo este tipo de crime subiu 14%, comparando-se ao mesmo período do ano passado. Em números absolutos, são 32 pessoas autuadas a mais em relação a 2016.

“Esses casos não incluem os criminosos apresentados nas delegacias territoriais e na Delegacia para o Adolescente Infrator”, explicou o coordenador do Grupo Especial de Repressão a Roubo em Coletivos (Gerrc), delegado José Nélis, indicando que o número de pessoas flagradas cometendo este tipo de crime deve ser ainda maior.

Outro dado em ascensão é o de adolescentes apreendidos na prática deste delito, que dobrou de um ano para outro: em 2016, 12 casos e este ano, 29. Também houve aumento no registro de armas de fogo apreendidas, que passou de 14 em 2016, para 26 em 2017. A tendência de crescimento alcançou os inquéritos policiais, tanto em termos de instauração (2016: 194 e 2017: 246), como de remessa à Justiça (2016: 173 e 2017: 234).

Major Gabriel Neto, comandante da Operação Gêmeos, unidade da Polícia Militar responsável pela repressão ostensiva aos roubos em ônibus, ressaltou ainda as conduções de suspeitos que portavam armas brancas e tiveram as ações frustradas pela ação rápida e de inteligência das policiais. “São inúmeros casos. Estamos fechando o cerco, com todas as unidades da PM em alerta para esta modalidade criminosa, uma das que mais assustam à população”, pontuou.

Nélis e Gabriel apontam ainda a reincidência como um dos principais problemas enfrentados no combate ao roubo a coletivos. “Geralmente, o assaltante de ônibus comete vários crimes num só dia”, declarou o delegado. “Ao deixar a prisão, a maioria volta imediatamente a cometer o mesmo delito”, argumentou o major, ressaltando ambos a necessidade do endurecimento das leis que regem esta modalidade criminal.

Por Informe Baiano
Facebook Comments