Data de Hoje
5 August 2021
Foto: Divulgação | PF

Ex-assessor contava dinheiro em posto de Lúcio em Stella Maris, afirma em depoimento

No depoimento que prestou à Polícia Federal no último dia 19, o ex-assessor parlamentar Job Ribeiro Brandão afirmou que não conhecia o apartamento onde foram encontrados R$ 51 milhões em dinheiro. Para justificar a presença de suas impressões digitais em algumas das notas encontradas no imóvel, Ribeiro disse que costumava contar dinheiro do posto de combustíveis Alameda da Praia, localizado na praia de Stella Maris, em Salvador, que tem o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) como sócio. Ele também contava notas na casa da mãe de Geddel.

O posto de combustíveis aparece nas declarações de bens que Lúcio entregou à Justiça Eleitoral quando foi candidato a deputado federal em 2010 e 2014. Nas duas ocasiões, o então candidato declarou possuir 1.000 cotas do estabelecimento no valor de R$ 8.110,01. Na página do deputado no site da Câmara consta que Lúcio foi gerente administrativo do estabelecimento entre 2007 e 2010.

À Polícia Federal, Ribeiro disse que o dinheiro que “por ventura tenha manuseado” era do posto de gasolina. Segundo ele, os valores contados “giravam em torno de R$ 10 mil a R$ 15 mil”. “Que por vezes ia buscar dinheiro, às vezes o motorista e, ainda, os próprios familiares o recolhiam. Que contado o dinheiro ele era depositado em conta vinculada ao próprio posto”, informa termo do depoimento de Ribeiro ao qual à repotagem teve acesso.

Segundo o depoente, o dinheiro chegava “solto ou mesmo novo, com fitas” às suas mãos. Aos investigadores, o ex-assessor afirmou não saber “a origem do dinheiro que contava em tais situações ou mesmo o destino que lhe era dado na sequência”. A partir de 2010, afirmou, ele passou a receber pedidos frequentes do ex-ministro Geddel Vieira Lima para contar quantias maiores, que variavam entre R$ 50 mil e R$ 100 mil.

Geddel, que está preso desde setembro, e Lúcio são investigados pelo crime de lavagem de dinheiro na ação que investiga a origem dos R$ 51 milhões. O ex-ministro e o deputado, bem como seus advogados, não responderam aos contatos feitos pela reportagem nesta terça-feira, 7.

Inf. jornal O Estado de S. Paulo
Por Estadão Conteúdo
Facebook Comments