Data de Hoje
9 December 2021

Hospital das Clínicas demitirá 450 terceirizados

Até dezembro, cerca de 450 funcionários terceirizados serão demitidos do Hospital Universitário Professor Edgard Santos (Hupes), o Hospital das Clínicas, unidade ligada à Universidade Federal da Bahia (Ufba). Os trabalhadores serão substituídos por servidores contratados por meio de concurso público federal.

As demissões fazem parte do plano de reestruturação da unidade, encabeçado pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), órgão do Ministério da Educação, criado em 2010 para administrar os hospitais universitários federais.

Segundo a assessoria do Hospital das Clínicas, o plano atende à Portaria 208 do Ministério da Educação, que instituiu o dia 31 de dezembro de 2015 como prazo máximo para que todos os vínculos trabalhistas precários sejam extintos.

A determinação surge, segundo nota emitida pela assessoria da unidade, por causa de determinações de órgãos de controle que, “há cerca de uma década, consideram precários vínculos de empregos de fundações que trabalham em hospitais universitários federais”.

A sequência de desligamentos, que começou em junho e vai até o final do ano, gerou, este mês, conflitos entre o Sindicato dos Trabalhadores Técnico-administrativos da Ufba (Assufba) e a Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão (Fapex).

A entidade privada presta consultoria à universidade e era responsável, até a criação da Ebserh, pela contratação de pessoal para a unidade, entre outras atribuições.

O motivo do desentendimento foi a tentativa de descumprimento de um acordo que previa a substituição de 80 trabalhadores por mês, até dezembro, de acordo com as informações do jornal A Tarde.

Segundo a técnica de enfermagem Almira Rosário, funcionária do Hupes há 20 anos e diretora da seccional da Assufba na unidade, a fundação solicitou, em agosto, uma lista de 160 nomes a serem desligados, desrespeitando o pacto e os critérios que estabelecem a ordem de demissões – funcionários com mais tempo de serviço e que pedissem para ser demitidos seriam desligados primeiro.

Por causa da movimentação dos trabalhadores, um acordo foi firmado entre Assufba, Fapex e Ebserh, mantendo a distribuição das demissões já previstas.

Assistência

As categorias afetadas, no entanto, se preocupam com a queda no nível de qualidade da assistência na unidade, referência para a população pobre do estado.

Os servidores ouvidos – e que não quiseram ser identificados na reportagem – temem a substituição de profissionais experientes, com até 30 anos de atuação, por trabalhadores que vão estrear no serviço de assistência médico-hospitalar.

Além disso, segundo a sindicalista Almira Rosário, concursados convocados pela Ebserh para substituir os demitidos não têm se apresentado para assumir os postos, o que provoca déficit de pessoal no hospital.

A informação foi confirmada por fontes diretamente ligadas à direção da unidade médica.

Adaptação

“Já tínhamos um déficit e agora ele tem aumentado a cada mês. Os funcionários que estão chegando não possuem experiência suficiente para manter a qualidade do serviço de assistência que prestamos”, afirma Rosário, defendendo que haja um período de adaptação dos profissionais contratados.

A reitoria da Ufba, ao ser contatada, não quis comentar o assunto. A assessoria da universidade alegou que a Ebserh já está habilitada a responder pelo hospital.

A empresa pública também foi procurada e esclareceu, por meio de nota, que “a prestação do serviço de saúde pela unidade não está prejudicada, independentemente do número de profissionais que estão assumindo postos de trabalho”.

De acordo com o comunicado, “todos os novos convocados são acompanhados de forma responsável”.

A Ebserh informou, ainda, que, além dos funcionários da Fapex, o Hospital das Clínicas possui servidores da Ufba que acompanham a fase de adaptação. “Estes passam, obrigatoriamente, por período de avaliação, acompanhamento e treinamento”, consta na nota.

Por:  Yuri Silva/ A Tarde

Facebook Comments