Data de Hoje
25 February 2021

HSBC quer cortar até 50 mil empregos e vender filial no País

650x375_hsbc--mundo_1527637

 

 

O HSBC informou que pretende cortar até 50 mil empregos como parte de uma reestruturação para melhorar a rentabilidade de suas operações globais. No final de 2014, o banco britânico tinha cerca de 258 mil funcionários em regime de tempo integral. Após o anúncio, por volta das 4h10 (de Brasília), as ações do HSBC recuavam 0,69% na Bolsa de Londres. 

O banco também venderá a filial de varejo no Brasil, mas pretende manter alguma presença no País para atender grandes corporações. Em apresentação aos investidores, a casa explica a saída do mercado brasileiro com a lembrança de que, para ser um dos três maiores, teria de multiplicar o total de ativos por seis no País. O redimensionamento do banco, que também atinge outros mercados e áreas de negócios, permitirá à casa estar "alinhada com as maiores zonas econômicas e de comércio do mundo".

Durante a atualização das perspectivas do banco anunciada em evento para investidores na capital britânica, o HSBC reafirmou que pretende vender as operações no Brasil e Turquia. Com isto, serão suprimidos 25 mil empregos. A saída do mercado brasileiro, porém, não será completa. "Planejamos manter presença no Brasil para atender grandes clientes corporativos com respeito às necessidades internacionais", diz o comunicado do banco divulgado em Londres.


Enquanto arruma as malas no Brasil e Turquia, o HSBC anuncia que pretende "reconstruir a lucratividade no México". Uma das intenções na segunda maior economia latino-americana é aproveitar as oportunidades criadas com o Acordo de Livre Comércio da América do Norte, o Nafta.Na apresentação, porém, é possível observar que um dos argumentos do HSBC é que, para ser o terceiro maior banco no Brasil e Turquia, a instituição teria de multiplicar os ativos em mais de seis vezes. Outro argumento é que as exportações dos dois países (US$ 225 bilhões no Brasil e US$ 169 bilhões na Turquia) são comparativamente menores que em outros mercados em que a casa seguirá com as portas abertas, como México (US$ 398 bilhões), Emirados Árabes Unidos (US$ 373 bilhões) e Índia (US$ 324 bilhões).

A principal aposta do HSBC, porém, está na Ásia. "O HSBC planeja desenvolver negócios no delta do Rio das Pérolas, na província de Guangdong (áreas da China) e na região da ASEAN (Associação das Nações do Sudeste Asiático", diz o comunicado. Entre as áreas que serão mais exploradas na região, estão a gestão de ativos e os seguros. Além disso, o banco quer aproveitar as oportunidades criadas pela internacionalização da moeda chinesa.

Facebook Comments