Data de Hoje
17 April 2024
Foto: Arquivo Click Notícias (Foto do laudo: Jornal Correio24h)

Laudo prova que Centro de Convenções desabou por falta de manutenção

Documento afirma que oxidação causou ‘danos irreversíveis’ à estrutura

O laudo pericial sobre o desabamento do Centro de Convenções da Bahia (CCB) está acessível. O documento indica a falta de manutenção como a causa do desmoronamento de parte da fachada do equipamento, em setembro do ano passado. O Ministério Público da Bahia (MP-BA) solicitou o laudo pericial ao Departamento de Polícia Técnica (DPT), em setembro. Confira abaixo o documento na íntegra.

“Os peritos concluem ainda que, a falta de manutenção adequada da estrutura proporcionou efeitos irreversíveis na oxidação do aço, o que causou o rompimento da estrutura no local do acidente”, diz um trecho do documento.

As estruturas que romperam foram dois tirantes (estrutura de aço), que de acordo com o laudo, tinham espessura menor do que prevista no projeto original do CCB.

Por causa da estrutura em avançado estado de corrosão, o documento recomenda “a interdição do imóvel até que seja feita a análise total da estrutura com objetivo de avaliar a necessidade de sua recuperação ou demolição”. O documento, datado do dia 17 de maio de 2017, é assinado por três peritos criminais: Roberto Muiños Ventin, Cláudio Fernando Silva Macedo e Paulo Geraldo Mendes Botelho.

Para fazer a análise da estrutura do equipamento, os peritos fizeram duas visitas ao CCB: no dia 29 de setembro de 2016 – seis dias após o desabamento parcial – e no dia 20 de fevereiro de 2017, acompanhados pelo engenheiro projetista Carlos Strauch, engenheiro responsável pelo projeto original do Centro de Convenções, da década de 1970. Após as visitas, eles se reuniram no escritório do engenheiro no dia 22 de fevereiro e “realizaram simulações para identificação das causas do acidente”, diz o documento.

Nas visitas, de acordo com o laudo, os peritos constataram que a ação do salitre, combinada com a falta de manutenção ao centro, resultaram no desmoronamento.

(Correio24h)