Data de Hoje
26 January 2021

Ministério da Saúde alega “mobilização de guerra” à indústria de insumos

Em reunião reservada com o Ministério da Saúde, representantes da indústria alertaram sobre o risco de a requisição de estoques de agulhas e seringas desequilibrar o fornecimento destes insumos a estados, municípios e hospitais privados. Em resposta, auxiliares do ministro Eduardo Pazuello compararam a estratégia com uma “mobilização em tempo de guerra” para “harmonizar a distribuição”. Disseram ainda que contratos devem, sim, sofrer atrasos e recomendaram ampliar a produção para evitar desabastecimento. Os diálogos estão registrados em vídeo, obtido pelo Estadão, da reunião ocorrida na última segunda.

O ministério determinou à indústria nacional a entrega de 30 milhões de seringas e agulhas após fracassar na compra de 331 milhões de unidades.

Na conversa com o ministério, o representante de uma das empresas disse que a requisição poderia aumentar custos do produto no País. “Vamos entregar os estoques, nossos clientes ficarão desguarnecidos. Os importadores vão poder, no momento de falta, escassez, tirar benefício disso. Pode gerar aumento de preço e desabastecimento”, afirmou.

Auxiliares de Pazuello argumentaram que a ideia é permitir que o setor privado “honre” contratos, mas a orientação à indústria foi a de usar o ofício da requisição administrativa para explicar a clientes sobre atrasos em entregas.

Facebook Comments