Data de Hoje
26 September 2021

Moradores de rua usam parte da Arena Fonte Nova como abrigo

 
 
  • Fenrando Amorim | Ag. A TARDE

    Moradores de rua usam bilheteria como 'abrigo'

 

Sem a mínima noção do significado para o termo 'padrão Fifa' e que a área da Arena Fonte Nova está em poder da entidade máxima do futebol, quatro moradores de rua descansavam tranquilamente, na tarde de ontem, na área da bilheteria do lado do Dique de Tororó.





"Graças a Deus", exclamou o ex-eletricista Antônio da Conceição, de 53 anos, ao ser informado pela reportagem de A TARDE que a Fifa havia tomado posse da arena desde a quarta-feira. "Mas se tiver de sair a gente sai agora. É que estava chovendo e eu e meus colegas viemos passar o mau tempo", apressou-se a se desculpar o homem, confundindo o repórter com algum fiscal da Arena.





Após acalmar a vira-lata Pretinha, que ao lado de outros dois cães vigiavam atentamente os quatro homens, Conceição apresentou o amigo e ex-pintor Jurandir dos Santos, de 49.


Dos quatro, apenas os dois estavam acordados. Os outros dois amigos dormiam sono pesado, enquanto a chuva desabava forte. Torcedores do Vitória, Jurandir e Antônio contaram não ter feito nenhuma das refeições do dia.





Estavam esperando os restaurantes ao lado do Dique depositarem o lixo do dia para colherem resto de alimento. "Nunca entrei na Fonte Nova. A gente vai tentar ver os jogos na televisão da rua", disse Jurandir, que passou a morar nas ruas por um problema de família sobre o qual não quis falar.





Os olhos cheios de lágrimas de Antônio Conceição, ao relatar que a bebida só o deixou empregado por 18 anos, brilharam quando indagado sobre o que faria se tivesse cerca de R$ 300 para um ingresso da Copa.





"Ah, se tivesse esse real todo tava passando bem. Até dava para ajudar os outros", respondeu Conceição, exalando forte cheiro de álcool.





Coordenador de infraestrutura e operações da Secopa, Ademar de Freitas explicou que a área onde os moradores de rua estavam abrigados será interditada no próximo dia 6. Até lá, a livre circulação é permitida por se tratar de via pública.





Residente no Jardim Baiano, em uma casa com varanda que dá para o Dique e o estádio, Patrícia Estrela disse que o acesso ao local para os moradores continua tranquilo.

 







Planos operacionais





Outras cidades da Bahia estão passando por ajustes finais nas vésperas da Copa do Mundo. Depois de Salvador apresentar, ontem, o plano operacional para o Mundial, hoje é a vez de Santa Cruz Cabrália e Porto Seguro, municípios que vão sediar as seleções da Alemanha e Suíça, divulgarem as mudanças para receber as equipes.





Marco Costa, diretor de relações institucionais da Secopa, disse que o maior impacto é com a segurança, que contará com 800 a mil homens.





"Nossa realidade é diferente de Salvador. Somadas, as duas cidades têm 150 mil pessoas, então esse número é mais do que o suficiente"

 

Facebook Comments