Data de Hoje
21 October 2021

Novos quiosques serão entregues durante inauguração da orla de Itapuã

A cada intervenção entregue, a orla de Salvador ganha uma nova imagem, mais atraente para soteropolitanos e visitantes. Nesta sexta-feira (23), com a inauguração das novas orlas de Itapuã e Piatã, o novo conceito de ocupação do espaço público estabelecido pela Prefeitura vem mais uma vez à tona garantindo lazer e conforto, sem esquecer de ressaltar as belezas naturais das praias da cidade. Ao longo dos 3,1 quilômetros de calçadão desse trecho do litoral, já estão prontos 12 quiosques. Além disso, 20 outras estruturas de menor porte vão servir para venda de alimentos diversos, como acarajé e água de coco.

Os quiosques, uma evolução em relação às antigas barracas de praia, têm três dimensões distintas: 30 metros, 50 metros e 100 metros quadrados, e serão distribuídos de acordo com o tipo de produto comercializado. Nos espaços, os clientes terão acesso a mesas e sombreiros para maior comodidade durante os momentos de lazer. Além disso, os locais contarão com banheiros e chuveiros para higiene pessoal. Esses equipamentos serão explorados por 15 anos pelas empresas Salvador Kiosk e Turismo Ltda., e Nova Orla SPE Ltda. e Tuvalu Turismo SPE Ltda., que venceram a licitação e pagarão cerca de R$5,2 milhões à Prefeitura.
Após esse prazo, as estruturas precisam ser devolvidas da forma como foram entregues à administração municipal. No total, em toda a cidade, incluindo as ilhas, serão 100 quiosques com os mesmos padrões, assegurando mais ordenamento e beleza à orla. Nos novos espaços poderão ser comercializados alimentos, bebidas alcoólicas, refrigerantes, doces, lanches rápidos e afins. No dia da inauguração da nova orla, um dos quiosques – em Itapuã – já será aberto para que os presentes à festa possam ter noção de seu funcionamento e do que sua infraestrutura oferece. Os outros sete equipamentos terão abertura gradual.
unnamed (4) unnamed (5) unnamed (6) unnamed (7)
Estruturas – Os novos quiosques foram desenvolvidos numa parceria da Fundação Mário Leal Ferreira com o escritório do arquiteto Sidney Quintela, sendo concebidos em busca de simplicidade e funcionalidade, desde a localização até o tipo de material utilizado. As estruturas são compostas por madeira, vidro, aço inox e piso de cimento, de forma a permitir harmonia com a paisagem local e a perfeita visão do mar. São estruturas rígidas, mas que passam o ar de leveza necessário ao ambiente.

Segundo o secretário municipal de Cultura e Turismo, Érico Mendonça, as grandes diferenças entre as antigas barracas de praia e o modelo atual podem ser percebidas no visual e na infraestrutura. “O diferencial está, enfim, na existência de um padrão para estes equipamentos. As antigas barracas eram construídas sem método algum e não possuíam nenhuma estrutura sanitária. Os novos modelos garantem o conforto e a segurança dos usuários”, disse.

A legislação atual não permite o comércio de alimentos e bebidas na faixa da areia. Por conta disso, as novas estruturas estão instaladas no calçadão. “Este modelo de infraestrutura implantado nas orlas de Itapuã e Piatã visa garantir conforto e comodidade para  soteropolitanos e turistas. É importante ressaltar que os novos equipamentos fazem parte de um contexto amplo de ordenamento deste espaço público. Vamos levar este modelo para toda a orla marítima da capital baiana, bem como os  demais pontos de apelo turístico. No total, serão implantadas 100 estruturas semelhantes em toda a cidade”, informou Érico Mendonça.

Ordenamento – Além dos 12 quiosques, aproximadamente 20 barracas estão sendo instaladas na nova orla para abrigar baianas de acarajé  e vendedores de coco verde, lanches e tapioca. No primeiro momento, serão abertos 12 estandes. “Esses permissionários são os antigos comerciantes da região, que estão sendo realocados para as novas estruturas. São figuras tradicionais do bairro, como as quituteiras Cira, Damiana e Maria das Graças. Todos passarão por capacitação para aprender técnicas de venda, captação de recursos e demais estratégias comerciais. O local onde os comerciantes ficarão alojados será conhecido como Largo do Acarajé. Fora isso, ao longo da extensão da nova orla, as barracas serão distribuídas em grupos divididos nas diversas especialidades”, informa a secretária de Ordem Pública, Rosemma Maluf (Semop).

AGECOM – Assessoria Geral de Comunicação
Facebook Comments