Data de Hoje
5 August 2021
Foto reprodução

Relato de uma ex-atriz porno: “pornógrafos são mais valor aos lucros do que as pessoas’

Este é um artigo escrito por Cameron Adams, uma ex atriz pornô que antes atendia pelo nome de Cameron Bay. Esse artigo faz parte das conversas a respeito de pessoas que trabalham na indústria do sexo da Ravishly americana, se quiser ler mais, clique aqui

Depois de fazer sexo com cinco homens na minha primeira cena pornô, acabei no hospital com uma febre de 103 e uma infecção grave nos rins. Eu estava doente durante semanas. 

Poucos meses depois, eu consegui um emprego na Kink.com, uma empresa pornô BDSM de San Francisco. Eu tinha feito o teste para ver se eu tinha doenças sexualmente transmissíveis e fui liberada para trabalhar. Antes de filmarmos a cena, fomos a um bar nas proximidades. Não havia segurança, e as pessoas da Kink estavam bebendo e fazendo o que queriam. Eles não foram testados e foram quebrando as regras. 

Durante este tempo extra bateram nos meus seios duas vezes, e eu fiquei com hematomas no tecido. Depois desse hematoma enorme, eu não poderia trabalhar por duas semanas, por ordens médicas. Eu também precisei ter os meus seios refeitos por causa dessa lesão. 

Para a cena pornô real da Kink, 75 extras foram contratados, nenhum dos quais foram testados por HIV ou doenças sexualmente transmissívei. Durante as filmagens estávamos deitadas em cima de muitos deles, e eles nos tocavam nos mais extranhos jeitos. 

Em seguida, o ator principal teve seu pênis cortado e estava sangrando. Eles pararam de filmar para limpar o sangue. Eu queria usar uma intérprete para me substituir, mas eles não aceitaram. Então eu tive que continuar a trabalhar com um ator ferido. 

Tudo aconteceu tão rápido. O pior de tudo, ninguém me ofereceu um preservativo para me proteger. Eles não têm um plano eficaz para evitar a exposição a doenças sexualmente transmissíveis, e eu tive que continuar a cena sem qualquer proteção. 

Logo depois, fiquei sabendo que outro ator, que eu tinha trabalhado anteriormente tinha Hepatite C, então eu fui fazer o teste. Foi quando eu descobri que estava infectada com o HIV. Eu poderia ter continuado a trabalhar, porque o meu antigo relatório de teste de DST ainda valia por mais uma semana. Se eu tivesse continuado a trabalhar, eu poderia ter infectado outras pessoas. 

A indústria de filmes porno me disse que eu tinha que ser testada a cada 28 dias. Então eu fiz. Eles me disseram que eu tinha que fazer as cenas sem camisinha se eu queria manter o meu trabalho, caso contrário eu iria ser substituída. 

A indústria adulta tinha me exposto a agentes patogénicos só por que queriam terminar a cena. Fiz tudo o que a indústria de filmes adultos me disse para fazer, e agora eu sou HIV positivo. 

A indústria pornô se concentra em sua linha de fundo, porque eles sabem que podem tirar proveito de mulheres como eu. Eles sabem que há uma alta taxa de rotatividade, e que eles estão quebrando a lei, quando eles negam às mulheres como eu, proteção no local de trabalho, um simples preservativo. 

Eles fazem tudo isso porque eles não têm de pagar os cuidados de saúde de pessoas como eu, que chega a meio milhão de dólares em medicação. Em vez disso, estes custos de cuidados de saúde acabam sendo pagos pelos contribuintes, enquanto produtores de pornografia tem o caminho livre. 

A verdade é que ficar doente fazendo pornografia parece ser aceitavel ou normal. Todo mundo sempre parece ter um resfriado, um infecção por fungos, porque o trabalho envolve constante troca de fluidos corporais. E eu posso dizer por experiência pessoal, constantemente estar doente ou se machucar no trabalho, não é de forma alguma “empoderamento”. Na verdade, é o completo oposto. 

É hora para a indústria pornô considerar a saúde e a segurança como sendo uma prioridade sobre os seus lucros. Caso contrário, os atores e os contribuintes vão ambos continuam a pagar o preço. 

Cameron Adams (conhecida como “Cameron Bay”) é afiliada do projeto Anti Pornográfia, AntiPornography.org, um, apartidário, sem fins lucrativos não-religioso. Para mais informações sobre a defesa de Cameron para melhorar a saúde e segurança para os artistas na indústria pornô, clique aqui.

Facebook Comments