Data de Hoje
29 January 2022

Paulo Guedes quer autonomia do BC já em novembro e conta com Ilan Goldfajn

O economista Paulo Guedes deseja acabar com a incerteza do mercado todas as vezes que é eleito 1 novo presidente da República. Se depender de Guedes–já indicado para assumir o superministério da Economia se Jair Bolsonaro for eleito presidente– será aprovada uma lei de independência política e administrativa para o Banco Central ainda em novembro de 2018, com mandato de 4 anos para o chefe da autarquia.

Nesse modelo proposto por Guedes, caberia a Ilan Goldfajn ficar mais 2 anos para completar 1 mandato à frente do BC. Isso coincidiria com a metade do eventual governo Bolsonaro.

Dessa forma, acaba-se para sempre com essas dúvidas que surgem a cada 4 anos no Brasil quando temos eleições. O mercado teria muito mais tranquilidade porque o BC ficaria estável durante o período de transição”, tem dito Guedes a interlocutores.

O time do candidato a presidente pelo PSL recebeu sinais de que o chefe do Banco Central nega que esteja determinado a deixar a autarquia em 2019. Há alguns dias, esse rumor sobre a saída de Ilan Goldfajn fez a Bolsa cair e o dólar, subir.

Poder360 apurou que há 2 critérios na equipe de Jair Bolsonaro para aproveitar parte do time de Michel Temer: 1) ser competente e 2) ter compromisso e motivação.

Segundo os bolsonaristas, Ilan Goldfajn atende ao 1º requisito. Caberá a ele dizer qual é seu ânimo para seguir no Banco Central. O mandato de independência para o presidente da autarquia será o argumento a ser eventualmente usado para convencer Goldfajn a permanecer na cadeira.

No que depender do guru econômico de Bolsonaro, o mundo perfeito é composto por duas medidas a serem aprovadas pelo Congresso ainda em 2018: 1) independência do Banco Central; 2) reforma da Previdência.

Bolsonaro decidirá sobre os rumos a tomar apenas a partir da semana que vem –caso seja mesmo eleito.

No caso do BC, tudo está relacionado à permanência ou não de Ilan Goldfajn no comando.

Já a reforma da Previdência em 2018 tem sido negada pelo presidenciável e pelo seu coordenador político, Onyx Lorenzoni.

É estratégia eleitoral: a maioria dos eleitores é contra mudar já o sistema de aposentadorias. Não seria prudente para Bolsonaro dizer durante a campanha que fará uma reforma proposta por Temer, presidente mais rejeitado da história do Brasil.

Depois da eleição a história muda. Bolsonaro e sua equipe vão analisar o cenário. Se a avaliação for a de que fazer a reforma da Previdência já em 2018 drenará a força política do militar, nada feito. O candidato do PSL sabe que precisa chegar bem avaliado pela população em fevereiro e março de 2019, quando o novo Congresso começa a funcionar.

Se o novo presidente encarar os novos deputados e senadores já com problemas de popularidade, será canibalizado pelo Congresso. É essa a razão que torna complexa e difícil a reforma da Previdência ainda em 2018.

Seria 1 desastre político perder o capital acumulado na eleição já antes da posse, com ônus de fazer uma reforma impopular, como é a da Previdência.

O cenário será outro se Bolsonaro e seu time entenderem que a mudança das aposentadorias poderá vir a “custo político zero”, com a responsabilidade ficando com Michel Temer e o atual Congresso. Essa avaliação terá de ser feita a partir de 29 de outubro, quando o presidenciável do PSL –se eleito– poderá testar a temperatura do ambiente no Congresso.

Informações deste post foram publicadas antes pelo Drive, com exclusividade. A newsletter é produzida para assinantes pela equipe de jornalistas do Poder360. Conheça mais o Drive aqui e saiba como receber com antecedência todas as principais informações do poder e da política.

Facebook Comments