Data de Hoje
31 July 2021
Foto: Reprodução

“Pensava que o tempo dos coronéis na Bahia tinha passado”, diz procurador após ACM Neto quase causar acidente na Graça

O procurador da Justiça do Ministério Público da Bahia (MP-BA), Rômulo de Andrade Moreira, em publicação na rede social, acusou motoristas do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), de quase causarem um acidente em manobra arriscada que contou com a presença de seguranças armados na noite deste domingo (4), na Rua da Graça, na capital baiana.

Em depoimento, o procurador relata: “voltava do aeroporto, por volta das 20h, com o meu filho e meu motorista. Quando íamos entrar no prédio, surgem dois carros, inopinadamente, pela contramão. O primeiro entrou na garagem, impedindo-me a passagem. O segundo veículo ficou parado, logo atrás, em plena via pública, em frente ao prédio. Desse segundo carro desceram três homens, um deles com uma insígnia pendurada no pescoço, parecendo tratar-se de um policial civil, exaltados e fazendo sinais para os carros que transitavam”.

E continua: “não satisfeito de impedir a minha entrada na garagem, a posição em que ficou o veículo não permitiu que uma moradora saísse do edifício. Ela teve que dar marcha a ré para que o veículo que havia dado a contramão entrasse. Pois bem. Após este primeiro carro entrar no prédio, os homens que estavam no segundo veículo entraram também no edifício, enquanto o segundo carro continuava estacionado em plena via pública, e na contramão”.

Ainda na publicação, ele releva que tratava-se do prefeito da capital baiana, que deixava um amigo no local. “Era ACM, o neto, que estava dentro do veículo que vinha à frente e era dirigido por uma terceira pessoa. O outro automóvel, que estava imediatamente atrás, era uma espécie de “escolta” e os três homens, seriam policiais civis. Se eram realmente policiais civis eu não posso afirmar, mas com certeza um deles portava ostensivamente um distintivo muito semelhante aos que são usados pela Polícia Civil. A cena seria burlesca se não se tratasse de uma irresponsabilidade e do cometimento de uma grave infração de trânsito. Notem: é um dia de domingo, aproximadamente, às 20h. Não creio que o Prefeito estivesse em serviço, ao contrário, ele veio dar uma carona a um morador”.

No final do seu relato, o procurador ironiza: “e eu que pensava que o tempo dos coronéis aqui na Bahia já tinha passado”.

Leia o relato na íntegra:

Por BNews
Facebook Comments