Data de Hoje
20 October 2021

PF encontrou depósitos em favor de Collor no escritório do doleiro

PF encontrou depósitos em favor de Collor no escritório do doleiro

Foto: Divulgação

 
A Polícia Federal encontrou, no escritório do doleiro Alberto Youssef, comprovantes de depósitos em favor do senador Fernando Collor (PTB-AL), em busca realizada durante a Operação Lava Jato. Segundo informações da Agência Brasil, o fato foi comunicado nesta quinta-feira (22) pelo juiz Sergio Fernando Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, ao ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal. Segundo o relatório da PF encaminhado ao magistrado, foram oito depósitos em espécie, entre fevereiro e maio do ano passado, no valor de R$ 1,5 mil; R$ 9 mil; R$ 1,5 mil; R$ 9 mil; R$ 8 mil; R$ 9 mil; R$ 8 mil e R$ 4 mil. Collor, no entanto, não é investigado na operação. "Apesar disso [dos comprovantes de depósito encontrados], observo que não há qualquer indício do envolvimento do referido parlamentar nos crimes que já foram objeto das aludidas oito ações penais propostas", disse o juiz. O ofício enviado por Moro a Zavascki, é citado ainda que a PF não foi autorizada a fazer a diligência que encontrou conversas entre o doleiro e o deputado federal André Vargas (PR), referente à reunião marcada na casa do deputado Cândido Vacarezza (PT-SP). "Muito embora o relatório preparado pela Polícia Federal para a remessa do material do deputado federal André Vargas mencione o deputado federal Cândido Vaccarezza, observo que a menção diz respeito à suposta reunião dele com Alberto Youssef, sem que, em princípio, se possa inferir caráter criminoso do evento em questão. Apesar de o agente policial sugerir, no relatório, a este juízo, que obtivesse confirmação de que determinado aparelho de Blackberry pertenceria ao referido deputado, observo que este juízo não autorizou essa diligência e a recomendação consta em relatório solicitado por este Juízo com o propósito específico de remessa do material ao Supremo Tribunal Federal", disse o juiz, que acrescentou que o deputado federal baiano Luiz Argôlo (SDD), com o qual Youssef trocou mensagens, também não é investigado na Lava Jato. "Apesar da remessa, observo que não há qualquer indício do envolvimento do parlamentar nos crimes que já foram objeto das aludidas oito ações penais propostas", afirmou.
Facebook Comments