Data de Hoje
19 August 2022
Foto reprodução

Policiais civis ameaçam não trabalhar no carnaval por baixo valor das diárias

Os policiais civis baianos podem não trabalhar no Carnaval de 2018. Pelo menos, essa é a promessa do sindicato representante da categoria, que iniciou mobilizações, nesse sentido, em todas as delegacias do Estado desde o mês de agosto. Eles reclamam de baixo valor da diária pago aos agentes, atualmente fixado em R$ 149 para o nível médio.

O vice-presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sindpoc), Eustácio Lopes, conta que o montante é ainda mais defasado para os policiais que trabalham nas unidades localizadas no interior do Estado. “Cerca de 70% daqueles que trabalham em Salvador no carnaval são de outras cidades. O problema é que eles precisam arcar com despesas de deslocamento e moradia. Alguns, inclusive, dormem em viaturas, escolas e abrigos”, pontua o sindicalista.

Policiais de pelo menos dez cidades (Ilhéus, Itabuna, Juazeiro, Guanambi, Valença, Jequié, Paulo Afonso, Porto Seguro e Eunápolis) já assinaram o requerimento de desistência, documento em que, informalmente, todos abdicam das escalas extras no período momesco. Além deles, agentes das delegacias localizadas em Salvador de Furtos e Roubos, Delegacia de Repressão de Roubos a Coletivos (Gerrc) e Polinter também aderiram ao movimento.

Presidente do Sindicato visita delegacias de Salvador. Foto: divulgação/Sindpoc

De acordo com os representantes da categoria, a gestão estadual “tem sido insensível” com o movimento. “Estamos programando para outubro uma grande mobilização em Salvador. Neste mesmo mês, deve acontecer uma assembleia”, conta Eustácio.

“Vamos mostrar ao Governo do Estado que os valores das diárias e horas extras são reprovados pelos profissionais  que são responsáveis pela proteção da sociedade durante o carnaval. Após obtermos uma posição, o sindicato poderá entrar com uma ação na justiça para negociar os valores”, frisa o presidente do Sindpoc, Marcos Maurício.

Procurada pela reportagem do Aratu Online, a assessoria de imprensa da Polícia Civil informou que a instituição não recebeu do Sindicato qualquer reivindicação de forma oficial e, por conta disso, não vai se pronunciar.

Facebook Comments