Data de Hoje
21 September 2021
Doença Falciforme/ Foto Reprodução

Prefeitura promove seminário de abertura da Semana de Mobilização sobre Doença Falciforme

Acontece na próxima segunda-feira (19), no Auditório da Faculdade Dom Pedro II – Comércio, das 9h às 17h, o seminário de abertura da Semana de Mobilização sobre Doença Falciforme. O objetivo é disseminar informações e alertar a população sobre a doença. Serão realizadas ainda oficinas temáticas. Na terça-feira (20), às 14h, acontece uma palestra sobre o tema na Faculdade da Cidade, também no Comércio. Já na sexta, durante todo o dia, será realizada no espaço cultural da Câmara de Vereadores apresentação oral de trabalhos e posters sobre anemia falciforme. Também serão realizadas atividades educativas nas salas de espera dos postos de saúde.
 
A anemia falciforme é uma doença genética e hereditária, predominante em negros. Caracteriza-se por uma alteração nos glóbulos vermelhos, que perdem a forma arredondada e elástica, adquirem o aspecto de uma foice (daí o nome falciforme) e endurecem, o que dificulta a passagem do sangue pelos vasos de pequeno calibre, comprometendo a oxigenação dos tecidos. Para ser portador da doença, é preciso que o gene alterado seja transmitido pelo pai e pela mãe. Os principais sintomas são: dores articulares, palidez e icterícia, atraso no crescimento, feridas nas pernas, tendência a infecções, e problemas neurológicos, cardiovasculares, pulmonares e renais.
 
Segundo o Ministério da Saúde, no Brasil nascem cerca de 3,5 mil crianças por ano com a doença, sendo um bebê a cada mil nascimentos. Salvador concentra o maior número de portadores da doença: a cada grupo de 650 bebês nascidos vivos, um tem a patologia, o que representa, em média, 65 crianças por ano. A anemia falciforme pode trazer implicações sérias e até mesmo levar o indivíduo à morte. O diagnóstico precoce, acompanhamento regular com equipe de saúde, além de suporte social podem reduzir e até evitar agravos e complicações. A doença é identificada no exame do pezinho e pode ser controlada se tratada desde cedo.
 
Assistência – Para garantir a assistência integral ao portador na capital, a atual gestão implantou os primeiros Ambulatórios Especializados em Doença Falciforme do Brasil: no Multicentro Vale das Pedrinhas e no CAE Centro – Carlos Gomes, onde os usuários recebem atendimento ambulatorial completo, inclusive com hematologistas pediátricos e adultos específicos para o tratamento da patologia. No total, 66 postos de saúde do município contam com o Programa de Atenção às Pessoas com Anemia Falciforme.
Fonte: Agecom
Facebook Comments