Data de Hoje
19 January 2022

Previdência, câmbio e BC fazem equipe de Bolsonaro bater cabeça

Paulo Guedes e Onyx Lorenzoni protagonizam

Jair Bolsonaro também causou desencontros

Política e economia são o centro da polêmica

O governo de Jair Bolsonaro nem começou e já coleciona divergências e bate-bocas capazes de deixar analistas de mercado de orelha em pé.

Até o fechamento deste post, o último desencontro ocorreu entre o ministro da Fazenda anunciado, Paulo Guedes, e a área política do futuro governo. O guru econômico de Bolsonaro desautorizou nesta manhã (30.out) o futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni: “É 1 político falando de economia, é a mesma coisa de eu sair falando de política, não vai dar certo”.

Receba a newsletter do Poder360

Guedes protestava contra entrevista na manhã de 2ª feira (29.out), quando o coordenador político de Bolsonaro havia repetido o que já dissera dias antes: ser contrário à votação da reforma da Previdência ainda em 2018.

O deputado já havia sido desautorizado na noite daquela mesma 2ª feira pelo próprio Bolsonaro. Em entrevista à TV Record, depois de um longo silêncio a respeito durante a campanha, seu chefe disse que é favorável à votação agora e que irá negociar o projeto com o atual presidente, Michel Temer.

Vitória de Paulo Guedes? Pode ser. Mas ele protagonizou outros desencontros que ainda não estão solucionados. Inclusive com o futuro presidente.

Durante a campanha, Guedes disse em 1 encontro com empresários que estuda reeditar o imposto sobre o cheque, a velha CPMF. Deu tanta encrenca que foi desautorizado pelo então candidato. Disse às pressas Bolsonaro em post no Twitter sobre a CPMF: “Nunca cogitei sua volta”.

Jair Bolsonaro 1️⃣7️⃣

@jairbolsonaro

Votei pela revogação da CPMF na Câmara dos Deputados e nunca cogitei sua volta. Nossa equipe econômica sempre descartou qualquer aumento de impostos. Quem espalha isso é mentiroso e irresponsável. Livre mercado e menos impostos é o meu lema na economia!

O assunto dormita nos escaninhos do guru econômico, especialmente de seu consultor em temas tributários, Marcos Cintra, autor da proposta de imposto único. Quando teve que se desmentir, Guedes falou que estuda substituir impostos por alguma forma de taxação sobre movimentações financeiras. Só o futuro dirá se é isso é algum tipo de CPMF.

A outra encrenca ainda não resolvida em que Guedes se meteu foi causada por seu chefe. Em entrevista ao Poder360, Bolsonaro afirmou:

Eu falei para o Paulo Guedes: temos de estabelecer metas para dólar, inflação. Aí, a taxa de juros. O presidente do Banco Central terá liberdade para decidir dentro de parâmetros. O controle da inflação não pode ser apenas taxa de juros. O Banco Central deverá ter inteligência”.

Metas para o dólar? Causou frisson em nomes do mercado, como o ex-ministro Maílson da Nóbrega, que em seu blog acusou o militar de defender “na prática, a quebra do tripé macroeconômico”.

Só o futuro dirá se o ministro conseguirá desmentir o presidente ou confirmar temores de analistas de mercado como Maílson.

[Nota de atualização: para confirmar o bate-cabeça, hoje à tarde Guedes anunciou  que os ministérios da Fazenda, Planejamento e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços serão fundidos no chamado ministério da Economia. Sob seu comando. Após receber visitas de empresários em 25 de outubro, o militar havia desistido da ideia. Disse: “Recebemos a visita de homens da indústria do Brasil falando dos problemas e de como eu poderia resolver as questões deles. Falaram que gostariam que o ministério da Indústria e do Comércio continuasse existindo. Vamos atendê-los”]

Facebook Comments