Data de Hoje
27 September 2021

PSD abriga 4 deputados milionários e dois com mais de 20 anos de mandato

Na terceira reportagem da série, o clicknoticias elenca os bens dos atuais deputados federais baianos do PSD. Os seis parlamentares – Edson Pimenta, Fernando Torres, José Carlos Araújo, José Nunes, Paulo Magalhães e Sérgio Brito – registraram candidaturas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e querem mais quatro anos de mandato. Os postulantes informaram R$ 3 milhões cada de limite máximo de gastos nas eleições deste ano. No total, o PSD conta com 10 candidaturas à Câmara. 
 
Criado em 2011 pelo então prefeito de São Paulo Gilberto Kassab, o partido abrigou, em sua maioria, dissidentes do DEM, PP e PSDB. Na Bahia, a legenda, liderada pelo vice-governador e candidato ao Senado Otto Alencar, abocanhou seis cadeiras na Câmara Federal de uma só vez, mesmo sem participar das eleições de 2010. Só do DEM baiano foram quatro vagas tomadas. PCdoB, PDT e PSC também perderam as representações no Congresso.

 


Paulo Magalhães, Fernando Torres, José Nunes e Sérgio Brito


Dos seis parlamentares, o mais rico é Paulo Magalhães, que já ocupa cargo eletivo há 23 anos. Conforme declaração junto à Corte eleitoral, o político é detentor de um patrimônio de R$ 14 milhões. Destacam-se entre os bens as suas 12 fazendas espalhadas pelo interior baiano. A propriedade rural mais cara declarada custa R$ 3,3 milhões. Além de mais três fazendas com valores superiores a R$ 1 milhão cada. Paulo Magalhães, que é sobrinho do ex-senador Antônio Carlos Magalhães, é formado em Administração de Empresas e foi eleito pela primeira vez em 1991. 
 
Na pirâmide pessedista dos mais afortunados, o deputado Fernando Torres é o segundo mais endinheirado. Conforme declarações, o parlamentar viu sua fortuna dobrar nos últimos quatro anos. Em 2010, possuía patrimônio de R$ 2,6 milhões. Em 2014, as cifras evoluíram e chegaram a R$ 5,5 milhões. Do total, o que chamou a atenção foi a quantia, em espécie, de R$ 3,2 milhões que declarou possuir em mãos. Torres elegeu-se vereador de Feira de Santana em 2001 e tornou-se deputado estadual pelo PRTB em 2007. Em 2010 filiou-se ao DEM e subiu um degrau na pirâmide da política brasileira ao se eleger deputado federal. Um ano depois trocou novamente de partido e abrigou-se no PSD. 
 
O terceiro deputado milionário do PSD é José Nunes. Ex-prefeito de Euclides da Cunha (1988-1992), o parlamentar exerceu mandato de deputado estadual por quatro vezes consecutivas, todas pelo antigo PFL (1995 – 2011). Casado com a atual prefeita de Euclides, Fátima Nunes (PSD), o parlamentar declarou possuir patrimônio de R$ 4,2 milhões, a maioria referente a quotas de empresas, entre elas a Iguatemi Pneus, loja instalada na Avenida ACM, em Salvador. 
 
Sérgio Britto é o quarto parlamentar do PSD que possui patrimônio milionário. O político declarou possuir R$ 1,1 milhão em bens. Metade desse valor – R$ 500 mil – é referente a dinheiro em espécie adquirido com a venda de imóveis, segundo ele. Brito é o campeão em troca de partidos dentro do PSD. Elegeu-se deputado federal pelo antigo PFL em 1987. De lá para cá passou pelo PRN, PDC, PMDB, PDT e PSC antes de se aquietar no PSD. O político ainda foi vereador de Salvador pelo PDT e ocupou a Secretaria de Planejamento, Tecnologia e Gestão de Salvador por dois anos (2009-2010), na gestão João Henrique.

 


Edson Pimenta e José Carlos Araújo
 
José Carlos Araújo declarou patrimônio de R$ 577 mil. Foi deputado estadual por três mandatos consecutivos e três seguidos como federal. No total, Araújo já está há 25 anos na vida pública (1991-2014) e já sentiu o sabor de pertencer a cinco partidos políticos – PFL, PL, PR, PDT, PSD. Formado em Administração, Araújo integra a bancada ruralista na Câmara Federal. Foi deputado estadual três vezes pelo PFL (1991-2003) e deputado federal nas duas legislaturas anteriores PFL (2003-2007) e PL (2007-2011). Antes de exercer mandato eletivo, comandou por oito anos a Telebahia, ex-estatal baiana de telecomunicação.
 
O sexto e último deputado federal do PSD é o ex-comunista Edson Pimenta, que trocou o PCdoB pelo PSD em 2011. Pimenta presidiu por 11 anos a Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Estado da Bahia (Fetag), entidade representativa dos pequenos agricultores do estado. O político assumiu o mandato de deputado estadual pela primeira vez em 2003, se reelegeu em 2006 e, em 2010, foi eleito deputado federal. Em sua declaração, afirmou possuir patrimônio de R$ 873 mil. Destaque para a sua fazenda em Ibicoara, mesmo passando anos lutando pelos direitos dos pequenos agricultores baianos.
Facebook Comments