Data de Hoje
24 September 2021

Saiba em qual posto encontrar a gasolina mais barata

Queda na venda e concorrência acirrada fazem preço da gasolina variar em Salvador

De R$ 3,31 a R$ 3,59, de Ondina ao Caminho de Areia, passando pela Pituba, o preço do litro da gasolina tem variado tentadoramente nos últimos dias, para quem estava acostumado a praticamente um padrão de R$ 3,59. A regional Nordeste da Agência Nacional do Petróleo (ANP) reconhece, mediante números computados desde o início do ano, que o consumo de gasolina e diesel vem caindo significativamente na Bahia. O Sindicombustíveis, entidade que reúne os donos de postos do estado, também admite a queda nas vendas e diz que não tem qualquer interferência sobre a variação de preços.

Conforme informações de Ubirajara Souza, coordenador regional da ANP para o Nordeste, o consumo de gasolina na Bahia, em relação ao ano de 2014, caiu, no total, bastante no primeiro semestre de 2015. Sempre ressalvado que os dados têm como base a venda dos combustíveis pelas distribuidoras, Ubirajara Souza diz que “o cenário, como em todo o Brasil, é de queda do consumo, e daí vêm as promoções, pois os proprietários de postos precisam girar seus estoques.”

Diz ainda o coordenador Nordeste do CNP que “o Brasil vive uma situação econômica difícil e todos os setores de venda estão em queda, o que também acontece em relação à venda de combustíveis.”

OS NÚMEROS

Ubirajara Souza informa que a gasolina comum teve o seguinte desempenho nos primeiros cinco meses deste ano, medidos em metros cúbicos: em janeiro, foram vendidos 207 mil metros cúbicos do combustível, e em fevereiro o número caiu para 156 mil (no mesmo mês de 2014, a venda foi de 161 mil); em março de 2015, houve uma pequena alta, com a venda de 169 mil metros cúbicos, mas já em abril o volume caiu para 164 mil (contra 176 mil no mesmo mês de 2014).

Em maio último, nova queda, e a venda registrou 157 mil metros cúbicos para o estado da Bahia. Em contrapartida, o etanol teve uma alta de 59,3% de vendas em maio deste ano. Já o diesel, “o combustível do trabalho”, vem registrando comercialização negativa desde o começo deste ano. Em janeiro, a queda do acumulado (comparação a 2014) foi de 1,1%; em fevereiro, o índice negativo saltou para 7,4%, registrando 4,4% em março, e mais queda de 6,3% em abril, batendo o recorde negativo em maio, com índice negativo de 7,6%.

Mas nem só gasolina e diesel tiveram as vendas reduzidas na Bahia. O GLP (Gás Liquefeito do Petróleo), que dá a exata noção do consumo doméstico e de restaurantes, por exemplo, teve uma queda de venda acumulada em maio de 3,3%, em relação a 2014.

Ubirajara reconhece que “não só na Bahia, mas em todo o Brasil, as vendas de gasolina, diesel e GLP seguem em queda. ”

SALÁRIO

Num cenário onde se vislumbra, agora, uma redução de 30% nos salários, concomitantemente com a redução da jornada de trabalho para se preservar o emprego, “é natural que as pessoas pensem duas vezes antes de gastar combustíveis”, reconhece o presidente do Sindicombustíveis, José Augusto Costa.

Segundo ele, houve uma queda “efetiva” de vendas em todo o estado. “Você pode notar – disse ele à reportagem da Tribuna – que em Salvador há menos carros circulando, assim como aqueles que costumam, por exemplo, passear no Litoral Norte e outros pontos fora da capital, têm pensado duas vezes antes de gastar o combustível.”

É esta situação, conforme o presidente do Sindicombustíveis, que faz aumentar o ritmo da concorrência, o que resulta numa guerra de preços que é saudável para o consumidor. “Toda vez que há uma retração no mercado, os empresários brigam para retomar algo de alguém para quem eles acham que estão perdendo. ”

Ressalvando que o sindicato dos donos de postos “não interfere nesta disputa de preços”, José Augusto tranquiliza: “Essa situação não nos preocupa, é algo normal, e, como disse, quem sempre sai ganhando é o consumidor. ”

Onde encontrar valor mais barato

Percorremos diversas áreas de Salvador, ontem, registrando a variação ( de certa forma inédita) dos preços do litro da gasolina. Surpreendentemente, foi na chamada “região nobre” da capital, em Ondina, onde encontramos o valor mais barato: no Posto do Cristo, como é conhecido, ao lado do Clube Espanhol, a gasolina estava sendo vendida ontem a    R$ 3,31.

Na onda da gasolina “barata”, vem, em seguida, o preço oferecido pela posto Menor Preço localizado na Ladeira dos Galés: R$ 3,34.

Já no posto Petrobrás da Rua Djalma Dutra, o litro custava ontem R$ 3,39, e, algumas centenas de metros adiante, em posto próximo ao Largo das Sete Portas, o valor era de R$ 3,36.

Na Cidade Baixa, encontramos gasolina a R$ 3,39 em posto ao lado do Mercado Modelo, enquanto o posto da bandeira Petróleo, em São Joaquim, oferecia o combustível a R$ 3,37. Na Rua Barão de Cotegipe (Calçada), o Menor Preço vendia a R$ 3,39, enquanto na Mandragoa o valor era de R$ 3, 49, baixando para R$ 3,43 no Largo do Papagaio e chegando a R$ 3,59 no posto Ale, no Caminho de Areia.

No posto Shell da Barra (Avenida Centenário, próximo ao Shopping Barra), o valor era de   R$ 3,49, mesmo preço cobrado por outro posto da bandeira Shell, conhecido como Posto Chaminé, em Amaralina. Poucos metros adiante, porém, no Posto Shell da Pituba, o litro saltava para R$ 3,59.

Por: Alex Ferraz / Tribuna da Bahia

Facebook Comments