Data de Hoje
17 June 2024
Foto: Reprodução

Seca na barragem de Sobradinho é suprida com eólicas e termelétricas

Coelba garante energia

Com 5,6 Megavolts (MVA) de potência instalada, a Companhia de Energia Elétrica do Estado da Bahia (Coelba) garante que não há riscos de apagões no Estado, por conta da crise de geração de energia na Barragem de Sobradinho, no Rio São Francisco. Isso porque a empresa afirma ter energia suficiente para suprir a demanda dos 415 (dos 417 existentes) municípios do Estado, onde atende a uma população de mais de 14 milhões de habitantes.

Ontem, o Lago da Barragem de Sobradinho estava com apenas 1,5% do seu volume útil de água armazenada. Hoje em Brasília, a Agência Nacional de Águas vai reunir técnicos do Ibama, Chesf, Comitê da Bacia do São Francisco, e o Operador Nacional do Sistema (ONS) para decidir pela redução da vazão de Sobradinho de 900 metros cúbicos por segundo para 800 m³/s como está sendo solicitado pelo ONS. Essa redução é para evitar que se chegue ao volume morto (0% do volume útil), quando Sobradinho deixará de gerar energia.

Segundo a empresa existe energia contratada em volume suficiente para atender ao crescimento da demanda de mercado da sua área de concessão pelos próximos cinco anos.  Essa energia contratada é obtida através da compra do produto ofertado no mercado, através de leilões oferecidos pelas geradoras, com matrizes diversas, não mais unicamente do sistema hidrelétrico da Chesf no Rio São Francisco, mas de fontes como a geração eólica, térmica, além de energia hidráulica transferidas de outras regiões.

No último mês de outubro, a energia distribuída pela Coelba nos 415 municípios baianos foi de 1.624 GWh (Gigawatt-hora). No acumulado deste ano, de janeiro a outubro, a energia distribuída pela Coelba em sua área de concessão foi de 15.579 GWh.  Hoje a empresa conta com mais de 5,6 milhões de clientes, sendo 88% destes, clientes residenciais.

Eólicas

Além da oferta de energia de outras matrizes que são adquiridas no mercado, através de leilões, a Bahia ainda tem sistemas geradores de energia hidrelétricas próprios, operados pelo grupo Neoenergia com quatro usinas hidfrelétricas de pequeno porte –  Alto Fêmea, Itapebi, Presidente Goulart e Sitio Grande – e três sistemas de geração eólica – Caetité I, II e III, localizados no Centro Sul do estado.

Na semana passada a Chesf inaugurou as novas subestações Igaporã III e Pindaí II, em 230 kV, esta última com uma potência de 300 MVA. No mesmo período também entraram em operação as novas linhas de transmissão Igaporã II / Igaporã III e Pindaí II / Igaporã III, em 230 kV, com extensões de 5,4 quilômetros 49,6 Km, que irão reforçar o fornecimento de energia para o Estado.

O empreendimento proporcionará o crescimento do aproveitamento do potencial de energia eólica, um importante reforço para a geração de energia elétrica na região, principalmente considerando os atuais baixos níveis dos reservatórios das hidrelétricas no fim do período seco. O empreendimento da Chesf contempla a integração de 12 parques eólicos, com potência de 246,8 MW, localizados na região Centro |Sul da Bahia.

Estão em andamento os serviços para conclusão, ainda neste mês, da segunda linha de transmissão Igaporã II / Igaporã III C1, em 230 kiloVolt. Até o final do ano, entra em operação comercial o empreendimento completoa linha de transmissão Bom Jesus da Lapa II / Ibicoara, para conexão da subestação Igaporã III, na tensão de 500 kV e com extensão de 69,7 km, além dos dois bancos de autotransformadores 500/230/13.8 kV com potência total de 1.750MegaVolt de potência instalada.

Ministério de Minas diz que risco de apagão é zero

Em nota, o Ministério das Minas e Energia (MME) informou que mesmo sem a geração de energia a partir da Barragem de Sobradinho, a maior do Nordeste, a região não sofrerá com colapso no fornecimento, uma vez que além da geração própria, de usinas termelétricas e geração eólica, conta ainda com a interligação com sistemas de outras regiões dom país.Segundo o MME, a situação de abastecimento de energia no Nordeste é confortável, devido ao volume de térmicas e eólicas que há na região, e também pelos intercâmbios de energia elétrica gerados em outras regiões do Sistema Interligado Nacional (SIN). Porém, a defluência (saída da água) da usina não pode ser interrompida, pois é preciso manter o abastecimento de água para consumo humano à jusante da usina (nas comunidades que ficam no curso do rio, após a hidrelétrica).

Ainda segundo o ministério os órgãos e entidades que compõem o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) acompanham continuamente as condições de suprimento energético no país. O comitê avaliou que o risco de qualquer déficit de energia no Nordeste é zero neste ano. Este ano já foram adicionados 4.436 MegaWatts (MW) de energia ao sistema integrado, beneficiando todas as regiões do país.

Chuvas

As chuvas que caem no Norte de Minas Gerais, onde ficam as nascentes do Rio São Francisco ainda são consideradas fracas pelos técnicos do Ministério das Minas e Energia. A previsão é de que elas sejam ainda menores na próxima semana, o que diminuirá ainda mais a vazão do rio. A bacia do rio São Francisco apresenta chuva fraca isolada devido ao avanço da frente fria por Minas Gerais no início da semana e à atuação de áreas de instabilidade no decorrer da semana.

Desta forma, segundo a nota do MME, a coordenação hidráulica das usinas da bacia do rio São Francisco na região NE será efetuada visando a implementação da política de redução da defluência mínima, nas UHEs Sobradinho e Xingó, sendo a geração térmica local e o intercâmbio de energia responsável pelo fechamento do balanço energético da região NE.

Segundo informou o Operador Nacional do Sistema (ONS) a previsão de carga de oferta de para a Região Nordeste é de 11.250 MW

Estas previsões, quando comparadas aos números verificados na semana anterior, indicam acréscimo de 0,7. Em relação a igual período do mês passado, houve um crescimento da oferta de energia para o Nordeste, mediante o uso de geração eólica, termelétricas e transferências de outras regiões, de 4,8%.

Sistema hidrelétrico

A demanda de consumo de energia na Região Nordeste está em torno de 11 mil MegaWatts, dos quais somente o sistema hidrelétrico do Rio São Francisco responde por aproximadamente 10,5% dessa geração de energia. Dessa geração hidrelétrica, 60% depende da vazão DCE água da Barragem de Sobradinho, quye por sua vez regula o sistema hidrelétrico da Barragem de Itaparica e do Complexo Paulo Afonso e Xingó.

AChesf diz que a região dispõe como alternativa em torno de 7 mil MW de energia vinda da geração eólica e outros 5 mil MW das usinas termelétricas. A isso acrescente-se as linhas de transmissões que trazem energia das regiões Norte e Sudeste.

Por Adilson Fonseca / Tribuna da Bahia