Data de Hoje
22 September 2021

Sexo anal causa HPV e câncer anal ; Entenda

O intento desse texto é meramente ilustrar e fazer o leitor tomar ciência de quais riscos corre ao se engajar – passiva ou ativamente – na prática do sexo anal. Como toda e qualquer prática que envolve riscos, estar ciente destes e tomar algumas precauções acaba por tornar a prática mais segura.

 

 

Se você integra um grupo de religiosos dogmáticos ou a galera do “Isso é uma prática anti-natural”, por favor pare de ler aqui. Tem muita coisa interessante no restante do site.

 

Basicamente os riscos do sexo anal se dividem em cinco categorias:

  1. Infecções

Devido à altíssima concentração de micro-organismos, inclusive alguns que não são encontrados em outras partes do corpo.

  1. Dano físico

O ânus e o reto são estruturas que, apesar de apresentaram alta resistência a micro-organismos, estruturalmente são bem frágeis.

Pode se manifestar de algumas formas, como trauma ano-retal generalizado, hemorroidas, fissuras anais e prolapso retal (a mucosa do reto acaba se exteriorizando pelo ânus).

 

Tem como causas principais a penetração forçada sem lubrificante suficiente, a introdução de objetos largos e a sensibilidade diminuída devido ao uso de álcool ou outras drogas.

hpv

Vírus

 

  1. Incontinência anal

Apesar de pouquíssimo observado, teoricamente é possível a perda do controle esfincteriano, através da inserção de objetos muito largos (como na prática de fisting) e quiçá somente da atividade repetida.

Porém, os estudos na área são controversos. Por exemplo, um dos estudos que tentavam provar a relação entre sexo anal e incontinência incluiu a flatulência no conceito de incontinência, o que torna o resultado completamente inverossímil. Alguns autores recomendam o exercício do músculo PC para diminuir os riscos.

4.Higiene

Atrizes pornôs costumam utilizar uma espécie de ducha, ou o famoso Fleet Enema. Mas fazendo a higiene externa adequada, já ajuda bastante.

 

Por fim, com esses cuidados, a experiência tende a se tornar menos traumática e mais prazerosa para ambos parceiros.

5.HIV e doenças infecciosas

Não é só pela possibilidade maior de sangramentos que o sexo anal aumenta a chance de transmissão do HIV. Como o reto é a área mais infectada (leia-se: cheia de micro-organismos) do corpo, ele necessita de uma ampla defesa, que não permita a invasão de outros locais por esses patógenos. Assim, é natural que o reto possua uma concentração maior de glóbulos brancos. E no meio deles, estão os linfócitos T, que albergam o vírus.

 

Além disso, uma das funções do reto é a absorção de fluidos – que, aliás, é a função de todo o intestino grosso, reabsorver a água que sairia nas fezes em excesso. Misturem pequenos rasgos anais com sangramentos com uma concentração elevada de linfócitos T (e de vírus) e uma pitada de uma mucosa altamente absortiva, pegando quase tudo o que tinha o sêmen ali depositado, e temos uma combinação bombástica para a transmissão (bilateral) do vírus.

 

Sexo anal receptivo sem proteção, como todos devem saber, é a prática sexual mais arriscada em matéria de transmissão do HIV.

 

Além do HIV, outras doenças podem ser transmitidas através do sexo anal, como o papilomavírus humano, hepatites A, B e C, amebíase, gonorréia, herpes, chato (pois é), sífilis e até tuberculose.

 

A tênia (Taenia solium), verme que parasita o ser humano, pode causar uma manifestação grave, devido a uma peculiaridade. No seu ciclo de vida, a tênia, no intestino humano, elimina partes de seu corpo chamadas proglotes, que estão cheias de ovos e saem pelas fezes. Caindo no meio ambiente, vão ser ingeridas por porcos, e acabam se tornando uma espécie de semente, chamada cisticerco. Se o ser humano come carne de porco com cisticercos, eles vão se tornar o verme adulto no intestino humano, e o ciclo recomeça.

 

Porém, a formação de cisticercos não é exclusiva do porco. Se um ser humano acidentalmente ingerir proglotes, elas vão se tornar cisticercos. E no ser humano, podem se alojar no cérebro e causar a chamadaneurocisticercose, com direito a convulsões e tudo o mais. Fica o alerta para praticantes do famoso “beijo grego”. Se a(o) parceira(o) não estiver com a higiene em dia, já viu.

A imensa maioria dos casos de câncer anal ocorre por conta do HPV (papilomavírus humano). Nos últimos 30 anos, a incidência cresceu 160% nos homens e 78% nas mulheres. Mas também o uso de cigarros está bem associado, aumentando em 4 vezes o risco.

Cuidados a se tomar

 

Então, como muitos já devem saber, não custa repetir:

 

  • Camisinha. Existem inclusive camisinhas mais grossas, especiais para a prática do sexo anal.

 

  • Lubrificante. Especialmente aqueles à base de água, pois os outros podem danificar o látex e a camisinha romper.

 

Revista Papo de homem

 

Facebook Comments