Data de Hoje
28 October 2021

Suíca pede intervenção do MP na contratação permanente de intérprete de libras nas escolas

Após encaminhar projetos de indicação aos Executivos estadual (PIN nº 65/2016) e municipal (PIN nº. 67/2016), cobrando a realização de concurso público para a contratação permanente de tradutores-intérpretes da Linguagem Brasileira de Sinais Libras (Libras) nas escolas, o vereador de Salvador Luiz Carlos Suíca (PT) enviou ofício pedindo intervenção do Ministério Público da Bahia. A Secretaria Estadual de Educação informou que a contratação será por Regime Especial de Direito Administrativo (Reda). O problema, de acordo com o edil, “é que o fim dos contratos temporários acontece, muitas vezes, em pleno período letivo escolar”. “Isso prejudica o desempenho dos estudantes. Precisamos de ações estruturantes e não de paliativos”, completa. Mesmo com leis que exigem a presença do tradutor-intérprete de Libras nas escolas, públicas ou privadas, os alunos continuam sem apoio destes profissionais.

Vice-presidente da Comissão da Pessoa com Deficiência na Câmara Municipal, Suíca falou sobre a lei federal nº 7.853/89, que prevê punições aos donos de instituições privadas de Educação e até ao poder público, caso haja negligência em prestar auxílio especializado à pessoa com deficiência no ambiente escolar. “Além do poder público já ser responsável pela garantia de acesso e permanência de todo cidadão na Educação, deve proteger os alunos de qualquer discriminação ou situação desvantajosa e desigual. Não é eficaz ter um aluno em sala de aula disposto a aprender com os professores e com a turma e, mesmo com todo o esforço, não conseguir entender o que se fala. A falta do profissional de libras nas escolas chega a ser um desrespeito à pessoa humana”, detalha.

Situações de ausência dos tradutores-intérpretes de libras ou contratações duvidosas desses profissionais para escolas têm preocupado entes públicos em todo o Brasil. Em Florianópolis (SC), uma liminar na Justiça gerou polêmicas, quando autorizou a cobrança de mensalidade escolar com valor maior aos pais de alunos com alguma deficiência. Atuante na pasta da pessoa com deficiência na Bahia, a Defensora Pública Cláudia Ferraz alerta para o que menciona como ‘conflitos de interesses’.

“O poder público pode alegar que não tem recursos financeiros. Os proprietários de instituições de educação tentam argumentar que terão despesas com a contratação destes profissionais [de libras]. Mas, precisamos reunir pares que lutem pela garantia de interesses coletivos. Isso requer dos representantes públicos uma atuação conjunta com a população. A Defensoria Pública está à disposição para essa demanda”, informa Ferraz. Atualmente, há legislações e ações de conscientização em Salvador, como a lei 8.860/2015, de autoria do vereador Suíca, que institui o ‘Dia Municipal do Tradutor-Intérprete de Libras’ no calendário da cidade, além de outras iniciativas.

Ascom do vereador Luiz Carlos Suíca

Facebook Comments