Data de Hoje
29 November 2021

Transporte clandestino no Aeroporto de Salvador revolta taxistas

Taxistas se revoltam com transporte alternativo no Aeroporto de Salvador, pois não podem competir com os preços

O transporte alternativo de pessoas, como o do famoso “Uber”, que tem revoltado os taxistas em algumas capitais do Brasil, também existe em Salvador. O problema é semelhante para os trabalhadores que ficam no Aeroporto Internacional Deputado Luís Eduardo Magalhães e pagam todos os impostos para ter a licença.

Em contato com a reportagem do Varela Notícias, os taxistas denunciaram que é muito fácil ver os clandestinos atuando no local. “Eles ficam no estacionamento, até usam crachá. É fácil vê-los e é um problema que existe há muito tempo”, disse o taxista Rodrigo Leonel. O problema não é tão atual como aparenta ser. “Estou aqui há um ano, e sempre teve esse problema”, completou Leonel.

A guerra entre as duas modalidades é frenética e ambos buscam os clientes que acabam de sair do saguão do aeroporto. Coordenadores de táxi fazem de tudo para que o cidadão escolha a modalidade certa e legal. Um dos coordenadores dos taxistas, que não quis revelar a identidade, afirma que desde o ano passado essa rixa está mais intensa. “Eles ficam direto aqui e podem ser vistos facilmente. Competir com eles é muito difícil, porque eles não têm taxímetro e colocam preços mais baixos pra eles e conseguem roubar nossos passageiros”, desabafou.

O caso é tão grave que já houveram denúncias feitas contra esses transportes ilegais no Ministério Público Estadual e no Ministério Público Federal. Um dos denunciadores dessas infrações é o coordenador de táxis no Aeroporto de Salvador, Reginald Cohin, uma pessoa bastante ativa no combate de transportes ilegais na capital baiana. “Isso existe há uns 4 anos e, nesse ano, piorou demais. Tenho denunciado isso em todos os lugares… Ministério Público, já tenho três queixas registradas na polícia, tenho procurado emissoras de TV, a imprensa, sou um opositor desse tipo de atividade que eles fazem”, dispara.  A atividade dos clandestinos é ainda maior durante o período da noite, segundo ele.

Transporte-clandestino-e1440700216923

Transporte clandestino é feito perto do estacionamento do aeroporto (Foto: VN)

O ativismo de Cohin já lhe trouxe problemas e ele disse que já foi agredido pelos motoristas alternativos e até já sofreu ameaça de morte por conta das denúncias que ele fez. “Já me agrediram e até me ameaçaram de morte, mas eu não me calo, eu denuncio mesmo. Sei que eles estão errados e espero que algo seja feito para isso acabar de vez”, contou.

Já o policial que fica no local e não quis se identificar, afirmou ao VN que essa situação melhorou nos últimos tempos, pois eles realizavam a ação dentro do aeroporto – o que já não existe atualmente. Agora, a ação acontece no lado de fora. “Essa situação ocorre já faz muito tempo, e antes era bem pior, pois eles realizavam a ação dentro dos aeroportos, mas nós chegamos aqui e agora eles só conseguem fazer do lado de fora que a gente não está”, relatou.

O órgão regulador das atividades desses transportes na Bahia é a Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transporte e Comunicações da Bahia (Agerba), que confirma o aumento de 400% nos últimos três anos no número de ilegais flagrados, saindo de 1.800 para 8.000 autos de infração anuais.

A rixa existe e está crescendo na capital baiana. Taxistas e motoristas de transporte alternativo estão longe de entrar em acordo. E os motoristas dos táxis não aceitam que seus clientes sejam “roubados” por eles não poderem concorrer com os preços dos outros, por causa de procedimentos legais, e a revolta a classe taxista que está sedenta para um fim dessa história e que essa modalidade seja combatida de maneira firme e definitiva.

Por: Vinícius Nunes / VN

Facebook Comments