Data de Hoje
24 September 2021

Vetada nos estádios, caxirola tenta emplacar como souvenir para turista

Vetada nos estádios por questão de segurança, após ser atirada no gramado durante uma partida do campeonato baiano, a caxirola agora deve ser vendida como souvenir para brasileiros e estrangeiros. Criado pelo músico Carlinhos Brown para ser uma espécie de “vuvuzela” brasileira, o instrumento será oferecido em versões dos 32 países que vão disputar a Copa do Mundo, com cores e bandeiras. Comercializado pelo grupo norte-americano The Marketing Store e um dos produtos licenciados pela Fifa, o objeto é feito de plástico e inspirado no caxixi (tipo de chocalho). Procurada pelo G1, a Fifa confirmou o veto nos estádios. “A decisão de não permitir a caxirola nas arenas foi tomada por razões de segurança após a manifestação contrária à comercialização e porte do instrumento nos estádios por parte do Ministério da Justiça”, informou a Fifa. Não será permitida a entrada, nos locais dos jogos, de torcedores com qualquer instrumento musical, independentemente do tamanho. A lista de itens proibidos inclui ainda canecas, garrafas, guarda-chuva, bolas infláveis, entre outros. Mesmo com a proibição, a The Marketing Store afirma que espera vender “milhões de unidades”. “Nunca ninguém nos prometeu ou nos garantiu que o instrumento poderia entrar nos estádios. A gente sabia desde o começo que não seria fácil. Entendemos a precaução, pois as ocorrências de violência nos estádios atrapalham bastante. Recentemente, vimos até a proibição de chinelo nos estádios", disse o vice-presidente de negócios da empresa, Genival Britto. O produto é vendido nos aeroportos brasileiros e nas principais lojas do varejo e também estará à venda nas 12 Fan Fests – espaços abertos ao público que a Fifa está montado nas 12 cidades-sede da Copa. Na loja virtual da caxirola, o objeto custa R$ 30. Segundo Britto, o projeto já dá lucro e não houve, até então, nenhuma devolução. “Tudo que a gente coloca na prateleira está sendo vendido. Acreditamos que mais de 90% das vendas vão ocorrer durante os dias de jogos. Mas, mesmo se imaginarmos o pior cenário, o que já vendemos até aqui já nos garante lucro", afirmou

 

 

 

 

Facebook Comments